terça-feira, 24 de setembro de 2019

Com passagens passando dos R$ 3 mil, ponte aérea Petrolina/Recife vive crise

24 de setembro de 2019
A crise no transporte aéreo de Petrolina gerada pela saída da Avianca do mercado local se agrava e tem previsão de provocar, este ano, uma queda de 33% na movimentação de passageiros no Aeroporto Senador Nilo Coelho. O trecho mais afetado é a ponte aérea Petrolina/Recife. Esses números estão sendo mostrados através de uma reportagem especial da Rádio CBN. Neste cenário de pouca competição, as companhias viram espaço para elevar as tarifas à estratosfera. Antes da saída da Avianca, o preço de um voo de ida e volta Petrolina/Recife variava, em média, entre R$ 400 e R$ 1.200. Atualmente, a passagem chega a custar mais que R$ 3.500,00 – a depender da companhia e dos dias de viagem. Duas empresas aéreas fazem essa rota: Azul e Gol. O impacto nos preços das passagens, provocado pela saída da Avianca, já está mobilizando lideranças políticas da cidade. Na Assembleia Legislativa (Alepe), a deputada Dulcicleide Amorim (PT) provocou uma audiência pública sobre o assunto. O prefeito Miguel Coelho também demonstra-se preocupado com a atual realidade. No mês passado ele se reuniu em São Paulo (SP) com o presidente da Azul, John Rodgerson, e diretores da companhia e solicitou a ampliação de rotas que servem a cidade, além do barateamento da ponte aérea Petrolina/Recife.
Foto: Blog do Carlos Britto

Fonte: Blog do Carlos Britto

Nenhum comentário:

Postar um comentário