quinta-feira, 30 de maio de 2019

No ritmo atual, Brasil só deve recuperar em 2028 a renda per capita de 2011

29 de maio de 2019
Foto: Maurenilson Freire/CB/D.A Press
O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulga o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2019 na próxima quinta-feira, e as previsões não são boas, tanto para a conjuntura econômica quanto para a renda da população, que está ficando mais pobre, pois, como o desemprego é elevado, não há aumento de salário para a maioria dos trabalhadores. Além disso, é crescente a sinalização de que o PIB deste ano será pior do que o do ano passado, de apenas 1,1%, condenando o brasileiro a ter uma renda per capita baixa. O quadro reflete a desconfiança de empresários e de investidores nos rumos da economia. Uma estimativa feita pela Tendências Consultoria ilustra bem esse quadro desolador. A entidade está entre as mais otimistas no mercado, porque manteve a previsão de alta de 1,6% do PIB neste ano, bem superior às projeções da maioria dos analistas. De acordo com a Tendências, o PIB per capita deve registrar leve queda neste ano em relação a 2018, passando de US$ 8.960 para US$ 8.897. Além disso, o retorno ao pico do PIB per capita alcançado em 2011, de US$ 13,3 mil, só ocorrerá em 2028. “Isso indica que a renda média do brasileiro encolheu muito nos últimos anos, e o país está levando quase duas décadas para voltar ao que era antes da recessão”, explicou a economista Alessandra Ribeiro, sócia da Tendências. O PIB per capita é o total da riqueza gerado pelo país dividido para cada brasileiro. O levantamento da Tendências considerou um crescimento médio da população perto de 1% ao ano e um câmbio de R$ 4. Em artigo recente, o economista Affonso Celso Pastore, ex-presidente do Banco Central, ao analisar a evolução do PIB per capita levantou a questão de que o país já está vivendo um período de depressão, porque a população empobreceu e não há perspectivas de crescimento econômico robusto sem as reformas estruturais de que o país precisa. Segundo ele, serão necessários 233 anos para essa renda dobrar e a economia e a população estão sem horizontes. Para Alessandra, o cenário é preocupante. “O país está crescendo muito pouco, e, como a população aumenta, o padrão do PIB per capita vai demorar mais de 10 anos para recuperar o tempo perdido. Isso pode ser classificado como depressão, porque não vemos o PIB per capita reagindo. Agora, quando olho para o PIB, não consigo qualificar esse mesmo quadro depressivo”, completa. Silvia Matos, pesquisadora sênior da área de Economia Aplicada do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV), também não qualifica o cenário como depressivo, mas reconhece a importância de Pastore levantar essa discussão. “O PIB não consegue crescer porque não estão sendo adotadas medidas que poderiam mudar o rumo, que é em direção a uma nova recessão, se não houver avanços nas reformas”, alertou. Um estudo recente do Ibre revelou que os mais pobres estão sendo impactados pela crise, pois a desigualdade no mercado de trabalho aumentou pelo 17º trimestre consecutivo e alcançou o maior nível em pelo menos sete anos. O índice de Gini, que mede essa discrepância de renda, alcançou 0,627, o maior patamar da série histórica iniciada em 2012. Quanto mais perto de 1, maior é a desigualdade. 

Recessão técnica
É crescente o número de analistas que preveem quedas entre 0,1% e 0,45% do PIB no primeiro trimestre. As projeções de expansão em 2019, que começaram o ano em 2,53%, depois de 13 quedas consecutivas, estão em 1,23%. Fontes do governo contam que as simulações do PIB rodam a uma taxa de 0,9% para este ano. “Alguns especialistas já estão prevendo PIB abaixo de 1%, algo entre 0,7% e 0,9%”, destacou Newton Rosa, economista-chefe da Sul América Investimentos, que prevê expansão neste ano de 1%, “com viés de baixa”. “Para o PIB crescer nesse ritmo seria preciso uma forte recuperação no segundo semestre, algo cada vez menos provável por conta das incertezas na área política”, afirmou. Como o PIB de 2018 cresceu apenas 0,1% no último trimestre, especialistas não descartam a possibilidade de a revisão do IBGE vir com essa taxa negativa. Logo, se as previsões atuais se confirmarem, o país estará em recessão técnica, caracterizada pela queda do PIB em dois trimestres consecutivos. “Essa possibilidade não pode ser descartada”, destacou Rosa. Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating, está entre os mais pessimistas, pois espera queda de 0,45% e considera que, no segundo trimestre, há “chances reais” de a o PIB encolher de 0,1% a 0,2%, o que caracterizaria uma recessão técnica neste semestre ou recessão propriamente dita se o quarto trimestre de 2018 for negativo. 

Alta de 0,6% no campo 
O setor agropecuário brasileiro deve avançar 0,6% em 2019, representando melhora de 0,4% do previsto em fevereiro deste ano. O crescimento deve-se, principalmente, ao desempenho do setor da pecuária, com previsão de incremento de 3%. Os dados foram divulgados ontem pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). De acordo com o instituto, a alta é reflexo do aumento de exportações na categoria. Na agricultura, as lavouras devem representar 0,1% do crescimento do PIB agropecuário. Para os pesquisadores, o pequeno crescimento é explicado pela queda da produção de soja que, segundo o Levantamento Sistemático de Agricultura do IBGE, deve encolher 4,4% no ano, devido a problemas climáticos na região Centro-Sul do país.

Fonte: Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário