terça-feira, 10 de abril de 2018

A Educação Física e a perspectiva das práticas corporais

09 de março de 2018
Quando discorremos sobre a Educação Física em conversas informais com os alunos, os pais e alguns amigos, prontamente alguns imaginam, algo como bola rolando num jogo de futebol, de vôlei, de basquete, dentre outras modalidades esportivas. Mas, a Educação Física não se limita apenas ao Esporte, existe muitos conteúdos a serem analisados dentro do “Estudo do Movimento” e das “Práticas Corporais” – como: Ginástica, Dança, Luta, Jogo e Esporte –, e a serem trabalhados durante todo ano letivo, conforme preconiza os Parâmetros Curriculares e as Orientações Teórico-Metodológicas (OTM) do Estado de Pernambuco. A Educação Física, prática social, milenar, portadora de uma forte carga cultural por tratar das manifestações expressivas da cultura corporal, desenvolvidas ao longo da história da humanidade, como explicita o Coletivo de Autores (1992). Este conhecimento próprio desta prática pedagógica se faz necessário para o entendimento da realidade atual e, nós professores da área, devemos abrir (esse leque) e dar oportunidades aos alunos para vivenciar antigos e novos conceitos sobre estas práticas. A exemplo dessas atividades motoras, o estudo e a vivência das ginásticas, das danças e das lutas, envolvendo movimentos diversos, com bastante relevância multicultural – que deve ser conduzida por profissionais de uma maneira extremamente cuidadosa e segura. O Presidente do Conselho Federal de Educação Física – CONFEF – numa entrevista que esclarecia alguns pontos ainda complexos da Nova Base Nacional, disse: “A Educação Física não é apenas uma aula de movimentos ou prática esportiva. Queremos que essas aulas propiciem a incorporação da necessidade de atividade física ao longo da vida. A alfabetização motora do aluno não pode ser prejudicada. A Educação Física deverá ser dotada de pertinência e relevância para a formação integral do indivíduo”. Jorge Steinhilber. Por isso, ao iniciarmos o ano letivo, é de suma importância que os professores façam um diagnóstico das Práticas Corporais que já façam parte do histórico dos alunos. Com essa análise, ficará mais fácil para o mestre selecionar conteúdos e temáticas mais adequadas para serem trabalhadas com os estudantes, promovendo assim o aprendizado, flexibilizando junto aos documentos oficiais, ou seja, o professor pode organizar os conteúdos conforme as necessidades apresentadas pela sua clientela, observando alguns critérios, segundo Pilleti (2010, p. 90) são eles: Validade, Flexibilidade, Significação, Possibilidade de Elaboração Pessoal, Utilidade e Viabilidade. Para Libâneo (2011, p 142) o critério de seleção dos conteúdos é uma tarefa importantíssima ao professor, pois “[...] eles são a base informativa e formativa do processo de transmissão-assimilação”. Há uma recomendação da Organização Mundial da Saúde – OMS, para que os indivíduos façam com regularidade Atividade Física e Práticas Corporais a fim de manter a saúde. Dentro desta ideia, requer diferenciarmos os seus conceitos, inclusive dos Exercícios Físicos, que fazem parte das Práticas Corporais: A Atividade Física é todo o tipo de movimento produzido pelos músculos, que nos causam um gasto energético acima do que teríamos em repouso. É tudo o que realizamos no dia a dia quando não estamos descansando: andar do quarto para a sala, lavar a louça, limpar a casa, subir e descer a escada do prédio e muito mais – ela ocorre pela necessidade natural do ser humano de existir e se relacionar com seu meio e seu estilo de viver. O Exercício Físico, que é uma sequência sistematizada de movimentos, que são executados de maneira planejada e possuem um objetivo especifico. O exercício pode servir para desenvolver valências físicas, equilibrar ou aumentar a musculatura, reduzir de maneira mais rápida o peso corporal, melhorar a capacidade respiratória, diminuição da pressão arterial e precaver o surgimento de males como diabetes e doenças cardiovasculares. Por ser repetitivo há a necessidade de um profissional de saúde, para determinar a intensidade ideal, a duração, as cargas e o objetivo de acordo com o perfil e o estado físico da pessoa. Alguns dos exemplos mais comuns são: a musculação, a natação, o basquete, o cooper, o futebol e muitos outros esportes. As Práticas Corporais, são fenômenos que se mostram, prioritariamente, ao nível corporal e que se constituem como manifestações culturais de caráter lúdico, que por sua vez, privilegiam o modo de viver das pessoas e levam em consideração o ser humano em movimento e sua gestualidade. Ao todo, existem mais de trezentas práticas em modalidades orientais e ocidentais: Luta, caratê, capoeira, Dança (rua, salão, etc.), Jogo, jogos e brincadeiras, Esporte (diversas modalidades), alongamento e Ginástica (localizada, rítmica, etc.); Artes Marciais como: tai chi chuan; shiatsu, massagem, caminhada, corrida, são algumas dessas atividades que causam um despertar da consciência e do cuidado de si e com o outro, levando-os a uma perspectiva de maior sociabilização. 

REFERÊNCIAS: 
*Entrevista com o Presidente do CONFEF – Jorge Steinhilber 
*Práticas corporais são instrumento eficiente para a promoção da saúde coletiva 
*Coletivo de Autores. Metodologia do ensino da educação física. S. P., Vozes. 1992.
LIBANEO, José Carlos. Didática. 32 reimp. São Paulo: Cortez, 2011 
PILETTI, Cl. Didática Geral. 24. Ed. São Paulo: Ática, 2010 
VAGULA, Edilaine V126d Didática / Edilaine Vagula, Ana Clarisse Alencar Barbosa, Mônica Maria Baruffi, Rosely Cardoso Montagnini. – Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2014. p. 184 
Por Paulo Sérgio Rocha da Silva - Professor de Educação Física do Ensino Médio do Colégio da Polícia Militar de Pernambuco – Anexo I – Petrolina-PE 

Fonte: Blog Diniz K-9

Nenhum comentário:

Postar um comentário