quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Lideranças protestam em frente a Compesa em Petrolina e detonam órgão

04 de Janeiro de 2018
Diante da situação vivenciada pelos moradores de bairros de Petrolina que vem sofrendo a falta de água constante e esgoto estourado por todos os lados os líderes comunitários se uniram para realizar um manifesto contra a atuação da Compesa. O ato aconteceu na manhã dessa quarta-feira (03), às 07h00. A intenção de acordo com os líderes, era chamar atenção para o péssimo serviço da empresa na cidade, já que constantemente a população tem sofrido. Eugênio Alves é presidente da Associação do João de Deus lembrou que as lideranças resolveram se unir por se sentirem prejudicados com o atendimento da Compesa nos últimos dias. "Na comunidade do João de Deus além da falta de água nós sempre tivemos a dificuldade com as desobstruções dos esgotos e o que foi orientado pela Compesa é que para obter esses serviços nós deveríamos fazer uso do 0800 para gerar o número de protocolo e ter o atendimento. Mas na última sexta-feira eu fui surpreendido com uma suposta liderança comunitária acompanhando um caminhão da Compesa, e dizendo para a população que número de protocolo não iria valer de nada, o que vale é a força de um deputado filho de Petrolina, dentro da Compesa e não há necessidade de as pessoas ligarem para o 0800, e isso me causou revolta e me trouxe até aqui.Então a Compesa está agindo com dois pesos e duas medidas?", questionou. Outro fato que chama atenção é o São Gonçalo, moradores receberam na conta de água 80% de taxa de esgoto, mas segundo a líder Socorro Souza disse que por todo o bairro o que mais tem é esgoto estourado. "A rua 19 tem anos, e já tem um ano que foi feita a licitação para vir uma bomba e até hoje não chegou, mas a taxa chega todo mês. Estamos aqui fazendo um movimento pacífico, mas fomos recebidos por uma tropa de choque da Polícia Militar, GATI e tudo mais, não somos vândalos, são lideranças comunitárias buscando um objetivo único para a população". As lideranças também cobraram não apenas atitude do órgão, mas principalmente da prefeitura para que se posicione diante do descaso. Os mesmos relataram que existe um jogo de empurra empurra da Compesa para a prefeitura. O bairro Mandacaru chegou a ficar dezoito dias sem água, mas quando chega nas torneiras não tem pressão suficiente, segundo Pedro Japão - liderança do bairro. "É uma calamidade, não aguentamos mais, enquanto isso as comunidades clamam, imploram e pedem por água que água é vida. Eu não tenho prazer mais de tomar um banho de chuveiro na minha casa, isso é falta de responsabilidade. Queremos quem seja de fato e direito seja municipal ou estadual que assuma o problema e possa arcar com os seus compromissos que as pessoas estão sofrendo. Chega, não suportamos mais isso", desabafou. Fora da cidade o gestor João Rafael garantiu receber os líderes na terça-feira (09), às 10h00.

Fonte: Nossa Voz/Grande Rio FM

Nenhum comentário:

Postar um comentário