Petrocar Transportes

Petrocar Transportes

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Em carta de ‘desabafo’, Temer diz acreditar em conspiração para tirá-lo do cargo

17 de Outubro de 2017
O presidente Michel Temer encaminhou, nesta segunda-feira, uma carta aos deputados e senadores do Legislativo na qual diz ser vítima, desde maio, de "torpezas e vilezas" e que, apesar de "jamais" ter acreditado haver uma conspiração para o retirar do cargo de presidente da República, agora enxerga esses fatos como "incontestáveis". "Começo pelo áudio da conversa entre os dirigentes da JBS. Diálogo sujo, imoral, indecente, capaz de envergonhar aqueles que o ouvem. (...) Quem o ouviu verificou urdidura conspiratória dos que dele participavam demonstrando como se deu a participação do ex-procurador-geral da República (Rodrigo Janot), por meio de seu mais próximo colaborador, Dr. Marcelo Miller", avalia Michel Temer. No texto, o presidente se diz "indignado" por ser "vítima de gente tão inescrupulosa". Um dos argumentos utilizados pelo presidente é uma entrevista concedida pelo ex-deputado Eduardo Cunha à revista “Época”. Na ocasião, Cunha disse que sua tentativa de fechar um acordo de delação premiada junto à força-tarefa da Operação Lava Jato não foi bem sucedida porque o procurador-geral exigia que ele incriminasse o presidente da República. "Esta negativa levou o procurador Janot a buscar alguém disposto", pondera Temer no documento ao se referir às delações de Lúcio Funaro, apontado como operador do PMDB no esquema de propina: "Ressaltando que ele, Funaro, sequer me conhecia", destaca. O presidente também cita o vazamento dos áudios com conversas dos dirigentes da JBS, Joesley Batista e Ricardo Saud, em que avalia ficar claro o objetivo de "derrubar o presidente da República". Temer pontua ainda que nos áudios Joesley diz que, "no momento certo, e de comum acordo com Rodrigo Janot, o depoimento já acertado com Lúcio Funaro 'fecharia a tampa do caixão'". "Tudo combinado, tudo ajustado, tudo acertado, com o objetivo de: livrar-se de qualquer penalidade e derrubar o presidente da República. (...) Afirmações falsas, denúncias ineptas alicerçadas em fatos construídos artificialmente e, portanto, não verdadeiros, sustentaram as mentiras, falsidades e inverdades que foram divulgadas", critica Michel Temer. O peemedebista aproveitou para exibir índices que apontam a retomada do crescimento do país. Entre eles estão a queda da taxa Selic - que em maio de 2016 marcava 14,25% e, em setembro deste ano, chegou a 8,25% -, e o aumento do valor exportado, que acumulou US$ 164,603 bilhões desde janeiro de 2017. "O Brasil não parou, apesar das denúncias criminosas que acabei de apontar", pondera Temer ao ressaltar a agenda de reformas propostas pelo seu governo: "O País avança com o teto de gastos públicos, lei das estatais, modernização trabalhista, reforma do ensino médio, proposta de revisão da Previdência, simplificação tributária". Temer ressalta ainda que a carta tem tom de "desabafo", e afirma que a "armação está sendo desmontada". "É uma explicação para aqueles que me conhecem e sabem de mim. É uma satisfação àqueles que democraticamente convivem comigo", destaca sobre o teor do documento. A carta, com quatro páginas, foi enviada aos parlamentares na semana em que a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara se prepara para votar o parecer de Bonifácio Andrada (PSDB-MG) pelo arquivamento da segunda denúncia feita contra o presidente pelo Ministério Público (MPF) por obstrução à Justiça e organização criminosa.

Fonte: MSN Notícias

Nenhum comentário:

Postar um comentário