Top de Linha

Top de Linha

domingo, 19 de fevereiro de 2017

O que significa ter "boa biomecânica de corrida"? Fisioterapeuta responde

19 de Fevereiro de 2017
Quando falamos sobre lesões em corredores e melhora do rendimento, o tema biomecânica da corrida frequentemente se faz presente. A biomecânica nada mais é do que a forma como o corpo se movimenta durante as passadas. Sendo assim, uma boa biomecânica significa um bom movimento, o qual irá contribuir para reduzir a sobrecarga nas articulações e otimizar o gasto de energia. Certas pessoas nascem com essa predisposição biomecânica generosa. Outras podem adquirir com correção de postura, adaptação e treinamento. Cada pessoa tem uma maneira própria de se mover, o que faz parte até mesmo de sua personalidade. Por exemplo, alguns olham mais para baixo, enquanto outros inclinam um pouco mais o tronco. Porém, a biomecânica da corrida não se foca nessas características pessoais, e sim em pontos mais centrais e importantes para o esporte. Se olharmos os corredores de elite veremos que, mesmo apresentando detalhes diferentes, eles correm com uma passada muito similar. Isso porque eles têm o que consideramos uma “boa biomecânica”, que pode ser resumida e simplificada nas seguintes características. 

BOA ABSORÇÃO DE IMPACTO
A cada passada da corrida, o corpo sofre um impacto de aproximadamente 2-3 vezes o nosso peso corporal. Em uma boa biomecânica de corrida esse choque é amortecido pelos músculos e tendões, e o corredor parece estar correndo leve, suavemente. Quando alguém corre batendo bem forte o pé no chão, fazendo bastante barulho, provavelmente a absorção de impacto não está funcionando bem, o que aumenta o risco de lesões. 

ATERRISSAGEM PRÓXIMA AO TRONCO (ALINHADA)
Um corredor com boa biomecânica, em uma alta velocidade, tem uma passada bem longa. Isso acontece porque ele se desloca bastante quando está no ar, ou seja, ele faz um grande voo adiante, e não porque estica muito a perna para frente, para longe do corpo, quando vai aterrissar no chão. O ideal é que a aterrissagem do pé aconteça bem próxima ao tronco (alinhada a ele), pois isso diminui o impacto, a sobrecarga no joelho, e a frenagem de cada passada. 

FORÇA DA PERNA DE TRÁS
É a extensão do quadril para trás o principal movimento para fazer o corredor se impulsionar e voar com eficiência para frente. Por isso, ao contrário do movimento da perna para frente, o movimento para trás deve ser mais potente e amplo. 

VENCENDO A FORÇA DA GRAVIDADE
Nosso corpo está sob ação constante da força da gravidade, que nos puxa para baixo. Para vencer essa força, os músculos trabalham para manter o corpo ereto e as articulações alinhadas. Com pouca ação muscular a postura fica “caída” e “muito relaxada”, prejudicando a biomecânica. Por isso, é importante “crescer” o corpo durante a corrida e lidar de forma eficiente com a ação da gravidade. Uma boa biomecânica pode e deve fazer parte do movimento de todo corredor, profissional ou amador, maratonista ou que corre 5 km. Ela é conquistada com alguma atenção e treinamento e, após um período de adaptação, os movimentos serão automáticos, confortáveis e parte natural da corrida. 
*As informações e opiniões emitidas neste texto são de inteira responsabilidade do autor, não correspondendo, necessariamente, ao ponto de vista do Globoesporte.com / EuAtleta.com 

RAQUEL CASTANHARO 
Fisioterapeuta formada e mestra em biomecânica da corrida na USP. Realizou pesquisa em biomecânica da coluna na Universidade de Waterloo, Canadá. Trabalha com fisioterapia e avaliação biomecânica em São Paulo e Jundiaí. www.raquelcastanharo.com.br

Fonte: Eu Atleta

Nenhum comentário:

Postar um comentário