Top de Linha

Top de Linha

sábado, 28 de janeiro de 2017

RJ vai ao STF para não ter de cumprir pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal

27 de Janeiro de 2017
O governo do Rio de Janeiro ingressou nesta sexta-feira (27) com ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para pedir que deixem de ser aplicados artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal que inviabilizem o acerto firmado com a União destinado a amenizar a crise financeira do estado. Nesta quinta-feira (27), o presidente Michel Temer e o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) assinaram um termo de compromisso pelo qual enviarão ao Congresso e à Assembleia Legislativa as propostas que, se aprovadas, permitirão a formalização de um acordo. Pelo termo de compromisso, o estado deixaria de pagar suas dívidas com a União por até 36 meses. Em troca, terá de adotar medidas para reduzir o déficit fiscal, entre as quais cortar neste ano R$ 9 bilhões em gastos públicos. Ao STF, o Rio pediu aval para não ser obrigado a observar os limites de gastos com pessoal e o limite de endividamento a fim de continuar realizando operações de crédito e, com isso, impedir bloqueio de recursos em contas do governo. O objetivo do pedido ao Supremo é – diante da situação de insolvência financeira do estado – antecipar os efeitos do acordo, já que a aprovação no Congresso e na Assembleia Legislativa ainda deve demorar. A ação está sob relatoria do ministro Luiz Fux e pede a concessão de uma liminar (decisão provisória) para que o estado não sofra bloqueios por não cumprir cláusulas atuais que obrigam contrapartidas em contratos em vigor com a União. Como o Judiciário está em recesso até terça (31), a decisão sobre a liminar pode vir a ser tomada pela presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia. O processo afirma que o Rio de Janeiro passa por estado de calamidade financeira e que vem "envidando todos os esforços possíveis na busca de remediar a calamidade". "Notoriamente insolvente, o Estado do Rio de Janeiro não dispõe de recursos para tudo. Na verdade, não dispõe de recursos para nada. Maior prova disso é que até mesmo os salários dos servidores públicos ativos, inativos e pensionistas vêm sendo pagos com atraso. O intuito da presente medida judicial, portanto, é impedir o total e completo colapso que se avizinha", diz a ação assinada pelo procurador Leonardo Espíndola.
Imagem: Google

Fonte: G1 RJ

Nenhum comentário:

Postar um comentário