Top de Linha

Top de Linha

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Com acordo de delação, Marcelo Odebrecht deve deixar presídio em 1 ano

02 de Dezembro de 2016
ordo de delação premiada o ex-presidente da empreiteira Odebrecht Marcelo Odebrecht prevê que ele possa deixar o presídio no final de 2017, caso o acordo firmado com o Ministério Público Federal (MPF) seja homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Nessa quinta-feira (1º), 77 executivos da Odebrecht assinaram acordos de delação com o MPF. Na semana que vem, eles começam a prestar depoimentos. A empresa divulgou na quinta-feira nota à imprensa intitulada "Desculpe, a Odebrecht errou", na qual afirma que não admitirá a repetição de atos investigados na Lava Jato – a empresa é acusada de pagar propina para políticos e funcionários da Petrobras. Marcelo Odebrecht já foi condenado no âmbito da Operação Lava Jato a 19 anos e 4 meses de prisão. O acordo prevê que a pena dele seja reduzida para dez anos, sendo que dois anos e meio em regime fechado. Como o ex-presidente da empreiteira já cumpriu um ano e meio de prisão, ele poderia deixar a cadeia daqui a um ano para cumprir mais dois anos e meio de pena em regime domiciliar. Depois, o acordo prevê que Marcelo Odebrecht cumpra mais dois anos e meio da pena em regime semiaberto e, por fim, mais dois anos e meio no regime aberto. 

Acordos
Além dos acordos de delação firmados individualmente pelos 77 executivos da Odebrecht, a empresa assinou um acordo de leniência, no qual se compromete a pagar multa no valor de US$ 2,5 bilhões, o que equivale a aproximadamente R$ 6,8 bilhões. Esse tipo de acordo é uma espécie de delação premiada de empresas, por meio do qual elas confessam participação em um crime e apresentam elementos que ajudem as investigações, em troca de redução da punições. A delação da Odebrecht é tida, no meio político, como a de maior potencial para provocar impacto nas investigações, isso porque os executivos citaram mais de 200 nomes de políticos de diversos partidos. Passada a etapa das assinaturas dos acordos, os executivos e a empresa terão de confirmar o que disseram até agora ao MPF, detalhando o pagamento de propina a políticos e entregando provas. A previsão é de que os depoimentos durem, no mínimo, um mês. A previsão é que os acordos só sejam enviados para homologação do STF no ano que vem. Caberá ao ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no STF, analisar as condições do acordo e as informações prestadas pelos executivos. Caso entenda necessário, pode mandar um juiz auxiliar ouvir todos eles novamente. Depois, caso entenda que os acordos estão corretos, os homologa. Devolve à PGR os trechos da delação daqueles citados com foro privilegiado e envia à 1ª instância da Justiça os trechos em que pessoas sem foro são citadas. Após a homologação, caberá à PGR e à Justiça Federal decidirem o que deverá ser investigado e pedirem a abertura de inquérito para apurar os fatos.

Fonte: G1

Nenhum comentário:

Postar um comentário