Top de Linha

Top de Linha

terça-feira, 30 de agosto de 2016

No Dia Nacional de Combate ao Fumo, UPAE/IMIP de Petrolina alerta sobre os malefícios do cigarro

29 de Agosto de 2016
Considerado doença, o tabagismo é fator de risco para mais de 50 doenças e a maior causa de morte que poderia ser evitada no mundo. A Organização Mundial da Saúde (OMS) classifica o tabagismo como doença crônica ligada à dependência da droga nicotina, presente em qualquer derivado do tabaco, seja cigarro, cigarrilha, charuto, cachimbo, cigarro de palha, fumo de rolo ou narguilé. Além do câncer de pulmão, traqueia, laringe e brônquios; outras doenças podem estar relacionadas ao fumo, como psoríase, catarata, menopausa precoce, infarto do miocárdio, enfisema pulmonar, acidente vascular cerebral (AVC), impotência sexual no homem, infertilidade na mulher, hipertensão, diabetes e até rugas profundas. Diante dessa realidade, a Unidade de Pronto Atendimento e Atenção Especializada de Petrolina (UPAE/IMIP) alerta sobre os malefícios do cigarro aos fumantes ativos e passivos – aqueles que inalam a fumaça ambiente e têm risco 30% superior de desenvolver um câncer de pulmão e doenças cardiovasculares quando comparados com os que ficam longe da fumaça. “Além de atuarmos na assistência, buscamos conscientizar a população sobre doenças evitáveis e passiveis de prevenção através de campanhas informativas internas e externas. Também desse modo esperamos estar contribuindo com a sociedade”, ressalta a coordenadora geral da Unidade, Magnilde Alves, no Dia Nacional de Combate ao Fumo (29). Para aqueles que pretendem parar de fumar, o Sistema Único de Saúde (SUS) garante tratamento gratuito, disponibilizando medicamentos, além de fornecer acompanhamento profissional. Portanto, a orientação é de que o usuário procure inicialmente o posto de saúde do seu bairro para maiores orientações. “Em caso de complicações, o médico da unidade de saúde avaliará a necessidade de encaminhar o paciente as um dos especialistas que disponibilizamos na UPAE de Petrolina”, acrescenta a coordenadora. Vale destacar que, após o uso do cigarro ser interrompido, o corpo pode recuperar-se dos danos causados pelo fumo, portanto, os prejuízos podem ser remediados. Acredita-se que após um ano sem fumar, os riscos já comecem a decrescer. Em relação aos riscos de infarto e câncer, estima-se que após 10 anos os indivíduos passem a ter os mesmos riscos de desenvolver essas doenças que uma pessoa que nunca fumou. 
Ascom UPA24h/UPAE - Petrolina

Fonte: Blog Diniz K-9

Nenhum comentário:

Postar um comentário