Petrocar Transportes

Petrocar Transportes

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

PT repudia música de João do Morro em "homenagem" a Dilma

02 de Dezembro de 2015
O músico recifense João Morro, conhecido por suas letras nada convencionais, acaba de entrar em uma polêmica. Sua mais nova composição “Resposta para Dilma”, em alusão à reeleição da presidente Dilma Rousseff (PT), começa a ganhar as redes sociais e já foi alvo de uma nota de repúdio oficial do Partido dos Trabalhadores. Na letra, João do Morro critica os eleitores que votaram na petista mas que protestam sobre os erros de sua gestão. A composição também especula sobre a vida sexual e a sexualidade da presidente da República. “É por isso que falam que eu não presto. Tem gente que votou em Dilma, agora, quer fazer protesto. Eu votei num cara pra ser o presidente, mas quem ganhou foi Dilma pra botar no c* da gente”, diz a letra. “Meu Santo Antônio, urgentemente, arruma um macho para Dilma parar de f* com a gente. Seja de Vitória, ou de Caruaru, quem votou em Dilma tem que tomar no c*. Tá f*. Se você votou, não reclame não. Eu tô tomando também por causa de tu”. Na nova música, João do Morro chama a presidente de “chupa charque”. O termo, na linguagem chula, é usado em referência às mulheres lésbicas. 

Confira a música
Neste final de semana, o vereador de Olinda Marcelo Santa Cruz (PT) divulgou uma nota de repúdio a respeito da composição. “Não podemos chamar de música, nem qualquer outra obra ligada à arte, algo que ofenda, constranja e exponha, viole direitos humanos e agrida verbalmente qualquer pessoa”, diz a nota, que também critica a questão sexual na letra. “Quando um homem coloca a condição de felicidade (neste caso, de boa administração pública), condicionada a presença de um homem, ele não só tira a sua credibilidade quanto mulher (e gestora), como afirma que só sob a proteção de um homem, seremos felizes e eficazes”. O PT se diz espantado pelo fato de João do Morro “homem negro”, que “nasceu no bairro de Casa Amarela”, na Zona Norte do Recife, não conhecer os avanços das gestões do partido. Os ex-prefeitos João Paulo e João da Costa, do PT, embora rompidos politicamente, são citados como exemplos. “O referido cidadão, além de ofender moralmente às mulheres, incita o crime de estupro. A relativização da violência nos dirá que não, que é apenas uma forma de expressão, mas quando esta liberdade agride e propõe publicamente resposta em forma de violência, ela deve ser combatida”. 

Confira a nota de repúdio do PT na íntegra: 

Nota de Repúdio a João do Morro 
"Durante esta semana, chegou ao conhecimento do Setorial de Mulheres do Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras, a denúncia sobre a composição de João Morro, referente a Presidenta da República, Dilma Rousseff. Precisaremos nesta nota, relatar alguns trechos escritos, para que cheguem ao conhecimento do maior número de pessoas as atrocidades ditas, mesmo que nos agrida violentamente: "Eu votei 'num' cara pra ser o presidente, mas quem ganhou foi Dilma pra botar no c* da gente." "Meu Santo Antônio, urgentemente, arruma um macho pra ela pra Dilma parar de foder com a gente." "Quem votou em Dilma, tem que tomar no c*." Não podemos chamar de música, nem qualquer outra obra ligada à arte, algo que ofenda, constranja e exponha, viole direitos humanos e agrida verbalmente qualquer pessoa. Quando um homem coloca a condição de felicidade (neste caso, de boa administração pública), condicionada a presença de um homem, ele não só tira a sua credibilidade quanto mulher (e gestora), como afirma que só sob a proteção de um homem, seremos felizes e eficazes. João do Morro não faz ideia da transformação social que o país dele atravessa. “Em 2000, as mulheres comandavam 24,9% dos 44,8 milhões de domicílios particulares. Em 2010, essa proporção cresceu para 38,7% dos 57,3 milhões de domicílios – um aumento de 13,7 pontos percentuais” Via IBGE. Outro dado que precisamos reafirmar aqui, é que essas mulheres comumente são abandonadas pelos homens, pais dos seus filhos e se veem diante da imensa responsabilidade manter um lar. Mais um ponto para o governo petista, agora já nas mãos da Presidenta Dilma: as casas do Programa Minha Casa Minha Vida, agora ficam nos nomes das mulheres, facilitando assim, o empoderamento e o encerramento dos ciclos de violência, muitas vezes baseado no patrimônio. Muito nos espanta que João do Morro, homem negro, que cresceu no Bairro recifense de Casa Amarela, não tenha conhecimento dos avanços proporcionados por esta gestão, bem como a gestão petista do ex prefeito João Paulo Lima e do ex prefeito João da Costa, que tanto lutaram para atender o bairro citado. Assim, só podemos caracterizar o ocorrido de uma maneira: oportunismo. E aproveitamos o momento para lhe garantir: não silenciaremos diante da sua agressão direcionada à Presidenta Dilma, porque somas todas unidas em nome de uma causa. A luta contra a violência é nossa bandeira comum. O referido cidadão, além de ofender moralmente às mulheres, incita o crime de estupro. A relativização da violência nos dirá que não, que é apenas uma forma de expressão, mas quando esta liberdade agride e propõe publicamente resposta em forma de violência, ela deve ser combatida. Vimos através desta nota, defender o direito do povo ao protesto, seja ele contra o governo, seja ele contra a oposição. A voz das pessoas não pode e não será silenciada. O setorial de mulheres do Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras do estado de Pernambuco tem análises duras a este modelo de governo, as faz e em qualquer momento, impedirá qualquer membro de emitir opinião, de forma plural, democrática e que respeite os princípios do respeito e da construção popular. Continuaremos de pé, enfrentando as raízes do patriarcado, pautadas no sistema capitalista, que prioriza as relações de poder de supremacia masculina. Não permitiremos que nossas atuações políticas estejam ligadas às nossas escolhas sexuais, tampouco que sejamos avaliadas por nossas relações pessoais. Toda forma de opressão será combatida. Nosso inimigo tem nome. O machismo, que mata milhares de mulheres ao ano e coloca o Brasil em 5° lugar entre os países que mais agridem mulheres. Sabemos que incitações à violência da forma como esta foi apresentada, contribui para a normalização dos crimes contra a mulher e nos coloca como responsáveis pelas agressões que sofremos. Não somos. Não aceitaremos ser. Convidamos o cidadão João do Morro a entender um pouco mais sobre um dos crimes que mais mata no mundo e repudiamos aquilo que ele chama de liberdade de expressão, a caracterizando como agressão. As mulheres do Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras seguirão na luta e dela não sairão."

Fonte: Diário de Pernambuco

Nenhum comentário:

Postar um comentário