Petrocar Transportes

Petrocar Transportes

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Deputados saem no tapa no Conselho de Ética

10 de Dezembro de 2015
Em uma sessão tensa do Conselho de Ética da Câmara, os deputados Zé Geraldo (PT-PA) e Wellington Roberto (PR-PB) quase partiram para a agressão física nesta quinta-feira (10) durante uma discussão que começou sobre o painel de registro de presença e se agravou quando foi mencionado um requerimento para pedir o afastamento do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Eles tiveram que ser apartados por parlamentares e chegaram a ser separados por seguranças. A sessão chegou a ser suspensa por alguns minutos. Após a confusão, o deputado Marcos Rogério (PDT-RO) foi anunciado oficialmente como novo relator do processo que investiga Cunha. A briga ocorreu um dia após o colegiado ter outra reunião tumultuada em que seria votado o parecer preliminar pela continuação das investigações sobre Cunha, mas que acabou não acontecendo e teve até a substituição do relator, deputado Fausto Pinato (PRB-SP). A medida foi classificada de "golpe" pelo presidente do conselho, José Carlos Araújo (PSD-BA). Cunha rebateu e disse que "golpe era o que estavam fazendo". Logo no início da reunião desta quinta, deputados aliados de Cunha questionaram a demora para abrir o painel para registrar presença. O deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) reclamou para o presidente do conselho explicando que, como suplente, chegou cedo para registrar presença e, assim, garantir que conseguiria votar caso houvesse a ausência de algum titular. Pelas regras, os suplentes têm direito a voto pela ordem de chegada. "Vossa excelência está querendo tumultuar o processo", disse José Carlos Araújo ao deputado do PR. Bacelar pediu: "Me respeita". Araújo repetiu: "Você está tumultuando". Bacelar revidou de novo: "Me respeita. Eu tenho o direito sagrado de votar. Vossa excelência está sendo arbitrário". Bacelar insistiu e deputados da base aliada o acusaram de querer tumultuar, dizendo que "a turma do Cunha quer bagunça". O clima ficou ainda mais tenso. No calor do bate-boca, Zé Geraldo e Wellington Roberto se desentenderam e, se não fossem contidos, teriam partido para as vias de fato. Depois de serem segurados, continuaram batendo boca. "Você que me meteu a mão", gritou Roberto. "Meti coisa nenhuma", revidou Geraldo. A turma do "deixa disso" entrou em ação para apaziguar a briga. Depois de a situação ter acalmado, Araújo pediu respeito aos deputados e informou que iria pedir o vídeo e o áudio para conferir o que aconteceu. "O Conselho de Ética não pode ser palco de incidentes como esse. Aqui jamais poderá ser transformado num ringue. Deve ser um local de conversa e diálogo. Aqui não é o lugar da disputa corporal, mas da palavra. Ninguém vai ganhar ninguém no grito", afirmou. 

Sessão de quarta-feira
Cunha e seus aliados têm trocado farpas constantes com o presidente do Conselho de Ética. Araújo os acusa de manobrar para atrasar os trabalhos. Eles, por sua vez, numa ação articulada, questionam a sua isenção à frente do comando do colegiado. Cunha é acusado de quebra de decoro parlamentar, por supostamente ter mentido na CPI da Petrobras, quando negou a existência de contas no exterior. Um dos homens da “tropa-de-choque” de Cunha no conselho, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) já entrou com uma representação questionado o uso do voto de minerva pelo presidente para desempatar votações. “O seu desejo de punir está contaminando o processo”, criticou Marun na sessão desta quinta, acrescentando em seguida que desejava que ele deixasse os trabalhos. Manoel Júnior (PMDB-PB), outro aliado Cunha, também o atacou: "O senhor tem sido um descumpridor contumaz o regimento da Casa".
Fonte: G1/You Tube

Nenhum comentário:

Postar um comentário