Top de Linha

Top de Linha

sábado, 24 de junho de 2017

Núcleo de Línguas da UNIVASF abre inscrições para cursos de inglês

24 de Junho de 2017

O Núcleo de Línguas (NucLi) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf) lança os primeiros cursos de inglês de 2017, destinados a estudantes e servidores da instituição. Há três cursos disponíveis, cada um com 25 vagas. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas até 4 de julho. Os cursos são ofertados por meio do programa Idiomas sem Fronteiras (IsF), do Ministério da Educação (MEC). As inscrições devem ser feitas online pelo site do IsF. Podem se inscrever discentes de graduação presencial e a distância e de pós-graduação Stricto sensu da Univasf; docentes e técnicos com Siape ativo há no mínimo seis meses. É necessário ter resultado de TOEFL-ITP válido, isto é, que tenha sido realizado nos últimos dois anos, ou estar ativo no curso My English Online (MEO). Os cursos têm carga horária de 16h00 e as aulas serão ministradas por professores do NucLi. Estão disponíveis os cursos de “Compreensão oral: estratégias”, “Produção Escrita: abstracts” e “Comunicação Intercultural”. Mais detalhes podem ser obtidos no site do IsF na Univasf. As aulas terão início em 11 de julho e término em 3 de agosto e serão ministradas na sala do NucLi, localizada no prédio de Colegiados, 1º andar, Campus Juazeiro-BA. Ao final do curso, serão emitidos certificados para os alunos que tiverem boa frequência e notas suficientes. A oferta de cursos do NucLi retorna após um período de recredenciamento das universidades federais brasileiras, do qual a Univasf participou e obteve aprovação para continuidade das atividades. O coordenador do IsF na Univasf, professor Fulvio Torres Flores, ressalta que o objetivo principal dos cursos do NucLi é preparar discentes e servidores da Univasf para o uso acadêmico e sociocultural da língua inglesa, visando auxiliar a Universidade em seu processo de internacionalização. Ele explica que, a partir deste ano, poderão se inscrever nos cursos do NucLi discentes e servidores que nunca fizeram o TOEFL-ITP ou não têm resultado de TOEFL-ITP válido, desde que estejam inscritos no curso a distância My English Online. Mais informações sobre o MEO estão disponíveis no site do IsF na Univasf. Francês - Além do inglês, o NucLi continuará com as aulas de francês através do Programa de Leitorado, em parceria com a Embaixada da França no Brasil. As inscrições serão abertas em breve. E introduzirá o curso de português para estrangeiros para alunos em mobilidade estudantil na instituição, o que está previsto para o segundo semestre. 
Ascom UNIVASF

Fonte: Blog Diniz K-9

Banco de leite do HDM atende bebês de Petrolina, da Bahia e até do Piauí e Ceará

24 de Junho de 2017
Todo recém-nascido com baixo peso ou prematuro, cuja mãe não produz leite suficiente para amamentação, recebe o alimento fornecido pelo Banco de Leite Materno do Hospital Dom Malan (HDM). "É uma ação muito importante que deve sempre contar com o apoio das pessoas porque o leite que doamos é recebido de mulheres que produzem mais do que seus filhos precisam', explica Flávia Guimarães, coordenadora da unidade, esclarecendo que também são atendidos bebês que, por qualquer razão, não conseguem mamar adequadamente". O Banco de Leite Materno é uma ação da Secretaria de Saúde do Governo de Pernambuco e está presente em Petrolina e em mais 11 municípios do Agreste, Zona da Mata e Região Metropolitana. Mas não são apenas pernambucanos que recebem assistência. Segundo Flávia Guimarães, crianças da Bahia e até do Piauí e do Ceará acabam também sendo beneficiadas. Atualmente está sendo um esforço para aumentar o número de doações na cidade. Até maio deste ano, foram doados 147 litros de leite ao Hospital Dom Malan/IMIP, mas segundo a coordenadoria do banco, o volume ideal seria de 294 litros. De acordo com o hospital, os requisitos para ser uma doadora é estar saudável e amamentando. Segundo a coordenadora do Banco de Leite, Flávia Guimarães, a unidade recebe por mês uma média de 30 litros, realizando 2.500 atendimentos nesse período. "A demanda é praticamente o dobro do que recebemos, mas o Banco de Leite do Estado busca oferecer todo o suporte para as mães que desejam doar seu leite excedente", diz ela. "Para se tornar doadora a mulher só precisa ter excesso de leite, nos contatar ou procurar o banco", afirma a médica, que continua: "Será realizada uma entrevista e alguns exames simples, e, em seguida, será agendada uma visita da técnica que vai orientar como ordenhar e estocar o leite materno. Entregaremos os vidros, além de marcar o dia da coleta do produto", explica. "Vale ressaltar que o Estado disponibiliza o carro para a coleta na própria residência da mãe doadora", completa. 

Serviço
Interessadas em doar para o Banco de Leite Materno de Petrolina podem ligar para os números (87) 3202-7001 ou 3202-7007, Hospital Dom Malan/IMIP. 
Ascom Clas Comunicação

Fonte: Blog Diniz K-9

Ainda pensando em final contra Sport, Salgueiro tem adversário ‘chato’ neste domingo pela Série C do Brasileiro

24 de Junho de 2017

Ainda vivendo as expectativas da final contra o Sport pelo Campeonato Pernambucano, que acontecerá na próxima quarta-feira (28), o time do Salgueiro não terá vida fácil neste domingo (25), pela Série C do Campeonato Brasileiro. O Carcará está em São Luís-MA, onde enfrentará o Sampaio Correia, às 15h30, em partida válida pela 7ª rodada. O jogo não será fácil para o time sertanejo, que tem apenas cinco pontos ganhos no Grupo A e ocupa a oitava colocação. Até porque o Sampaio também não faz uma boa campanha. A equipe maranhense tem oito pontos, e é a sexta no mesmo grupo. O problema é que dentro de casa o Sampaio é um adversário indigesto, difícil de ser batido. Por isso, se conseguir ao menos um empate, o Salgueiro levará de São Luís um bom resultado.

Fonte: Blog do Carlos Britto

Meirelles confirma que governo estuda usar FGTS no lugar do Seguro-Desemprego

24 de Junho de 2017

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, confirmou nessa sexta-feira (23) que o governo estuda utilizar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para substituir o pagamento do seguro-desemprego. A medida foi divulgada pelo jornal O Globo e, segundo a reportagem, o governo pretende usar o saldo do FGTS e a multa de 40%, paga nos casos de demissão sem justa causa, para repassar três parcelas ao trabalhador, substituindo o seguro-desemprego. O valor mensal seria equivalente ao último salário recebido pelo empregado. Após esse período, se permanecer sem colocação, o trabalhador poderia dar entrada no seguro-desemprego e receber o restante do saldo do FGTS. “Existem discussões na área econômica do governo, seja no Ministério da Fazenda, seja no Ministério do Planejamento, seja em outras áreas em diversos níveis, sobre diversas coisas que possam induzir o país a voltar a crescer” disse Meirelles ao ser perguntado sobre o assunto após participar de um evento promovido pela Câmara Americana de Comércio (Amcham) em São Paulo. O ministro também comentou a suspensão das importações de carne bovina fresca brasileira pelos Estados Unidos, anunciada na quinta (22), e disse que o Brasil prestará os esclarecimentos necessários para reverter a decisão norte-americana. “Compete à Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos [Apex] fazer o trabalho no sentido de assegurar que as dúvidas e preocupações dos outros países sejam resolvidas, e o país volte a exportar normalmente”, declarou. 

Reforma Trabalhista 
Durante o evento, o ministro recebeu um manifesto da Amcham em apoio às reformas trabalhista, previdenciária e tributária. Apesar da rejeição da proposta de reforma trabalhista do governo na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado, Meirelles mostrou otimismo com a votação do texto no plenário. “Um senador que perdeu o voo, outro que teve uma questão de partido, outro com uma questão familiar. Então, tiveram diversas questões que fizeram com que isso, ocasionalmente, ocorresse. Agora, nós acreditamos que a reforma deve ser aprovada e deve ser implantada.”es, está em “fase embrionária”. 

Fonte: Agência Brasil

Homem é assassinado com vários disparos de arma de fogo no Núcleo 11 do Projeto Senador Nilo Coelho, em Petrolina

24 de Junho de 2017
De acordo com informações policiais, nesta sexta-feira (23), um homem foi assassinado no Núcleo 11 do Projeto Senador Nilo Coelho, zona rural de Petrolina. Ainda segundo informações policiais, a vítima Francisco da Cruz Mendes, de 39 anos, foi morto com vários disparos de arma de fogo. Francisco foi encontrado sem vida no interior de um lote agrícola. Até o momento a Polícia não sabe informar a autoria e motivação do crime. O corpo da vítima foi removido ao Instituto de Medicina Legal de Petrolina e a Polícia Civil deve investigar o caso.
Imagem: Reprodução/WhatsApp

Fonte: Blog Diniz K-9

Fiocruz participa de caravana em defesa do Rio São Francisco e das populações do seu entorno

24 de Junho de 2017
De 27 a 30 de junho, ainda período do ciclo junino, 80 pessoas sairão em caravanas por 14 territórios nordestinos, em defesa da Bacia do São Francisco e das pequenas e tradicionais populações que vivem no seu entorno. Fruto de uma articulação entre a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e o Ministério Público da Bahia (MPBA), a Caravana Agroecológica do Semiárido Baiano: nos caminhos das águas do São Francisco é constituída por membros de 26 entidades, incluindo a Fundação Oswaldo Cruz. Elas buscam conhecer e debater sobre os sistemas agroalimentares e impactos de diferentes forças que disputam o modelo de desenvolvimento, nos territórios que compõem a bacia do Rio São Francisco na região de Juazeiro/BA e Petrolina/PE. Os preparativos para a Caravana começam dia 26, na Universidade do Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina. No dia seguinte, até 30 de junho, a caravana segue viagem percorrendo duas rotas, tendo como ponto de partida e de chegada a cidade de Juazeiro. A rota 1 seguirá ao longo do Rio Salitre, afluente do São Francisco, passando pelos municípios de Rio Formoso e Jacobina. A rota 2 percorrerá em torno do Lago de Sobradinho, pelos municípios de Sobradinho, Casa Nova e Remanso. Em ambos os percursos serão visitadas comunidades tradicionais (camponeses, quilombolas, fundo de pasto), associações de pescadores, serviços de saneamento (estação de tratamento de esgotos, aterro sanitário) e processos produtivos (mineração, eólicas, agronegócio) e outros. Além do diagnóstico, denúncia e debate em torno de problemas socioecológicos que afetam essas populações, a caravana também tem o intuito de conversar e propor uma agenda positiva de atividades envolvendo temas como tecnologias sociais, convivência com o semiárido e agroecologia, entre outros. Responsável por uma pesquisa que investiga os impactos da transposição do Rio São Francisco nas populações ribeirinhas, o pesquisador André Monteiro, do Departamento de Saúde Coletiva da Fiocruz Pernambuco, integra a ação colhendo novos dados de campo para o seu estudo, bem como realiza um vídeo sobre a caravana. Esse produto audiovisual deverá integrar o portal Beiras d´Água, que abriga um acervo composto por vídeos, fotografias, textos e áudios sobre o São Francisco. Monteiro é também um dos coordenadores da Caravana, representando o Grupo de Trabalho de Saúde e Ambiente da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco). 
Coordenadoria de Comunicação Social da Fiocruz 

Fonte: Blog do Banana

Diante de Temer, Primeira-Ministra da Noruega cobra "solução" para corrupção no Brasil

24 de Junho de 2017
A primeira-ministra da Noruega, Erna Solberg, não poupou críticas à corrupção no Brasil em uma coletiva de imprensa ao lado do presidente Michel Temer. O brasileiro, durante sua fala, garantiu que a democracia está “plantada” e as instituições funcionando com “liberdade”. Mas cometeu uma gafe ao dizer que iria se reunir ainda nesta sexta-feira com o rei da Suécia. Ele estará com o monarca norueguês, Harald V. “Estamos preocupados com a Lava Jato e é preciso fazer uma limpeza e encontrar uma solução” disse a chefe-do-governo norueguês, que apontou que o Brasil vive um período “desafiados” e “turbulência”. Oslo investiga empresas locais que são suspeitas de terem feito pagamentos de propinas para ex-diretores da Petrobras, entre eles Jorge Zelada, da cota do PMDB dentro da estatal brasileira. No total, quatro contas já foram bloqueadas na Suíça. Ao tomar a palavra, Temer se confundiu e ao citar seus compromissos, indicou que estaria com o “Parlamento Brasileiro” e com o “rei da Suécia”. A agenda estabelece um encontro com o parlamento e o monarca norueguês. Mas Temer também insistiu em dar um tom de normalidade. “As instituições funcionam com regularidade extraordinária e liberdade extraordinária”, disse. “A democracia é algo plantado formalmente pela Constituição e praticada na realidade”, insistiu. “Não é sem razão que as medidas tomadas são amparadas pela Constituição, prestigiadas e incentivadas pelo governo”, afirmou. “É o pensamento dela. Nós respeitamos”, disse Antonio Imbassahy, ministro da Secretaria de Governo e que insistiu que não ouviu ela falar em Lava Jato. “Ela não falou de Lava Jato”, insistiu. Segundo ele, Temer está “sereno” diante de uma eventual denuncia por parte do Ministério Público. O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), tornou disponível nesta quinta-feira, 22, uma cópia digital dos autos do inquérito aberto contra o presidente Michel Temer para a Procuradoria-Geral da República o que, na prática, abre um prazo de cinco dias para que o órgão apresente a denúncia contra o peemedebista. O ministro também pediu para que a Polícia Federal remeta, “tão logo ultimados”, o relatório final sobre o caso e a perícia feita da gravação da conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista, do Grupo J&F. A PF havia pedido um prazo extra de cinco dias para concluir as investigações. Para economizar tempo, Fachin determinou ainda que, assim que a PF enviar os documentos faltantes, o conteúdo deverá ser automaticamente remetido ao procurador-geral da República, Rodrigo Janot. “Vamos esperar e, se sair a denúncia, veremos os autos para tomar as medidas”, insistiu Imbassahy. O ministro não acredita que o processo possa atrapalhar as votações no Congresso. “Tivemos isso com a Odebrecht e tudo que tinha de ser votado foi votado”, argumentou. 
Foto: Håkon Mosvold Larsen / NTB scanpix / AFP Photo

Fonte: Blog do Geraldo José

Justiça baiana veta ‘guerra de espadas’ em Senhor do Bonfim-BA e suspende lei que torna prática patrimônio cultural

24 de Junho de 2017
A realização da ‘guerra de espadas’ no município de Senhor do Bonfim, no norte da Bahia, está proibida e qualquer pessoa que for flagrada portanto, armazenando, comercializando ou utilizando o artefato incendiário pagará multa de R$ 10 mil. A decisão é da Justiça estadual, que acolheu pedido formulado pelo Ministério Público da Bahia (MPBA) em ação cautelar de busca e apreensão, com pedido de declaração de inconstitucionalidade da Lei Municipal nº 1400/2017, sancionada pelo prefeito municipal no último dia 12 de junho. Em sua decisão, o juiz Teomar Almeida de Oliveira considerou que o prefeito de Senhor do Bonfim invadiu atribuição exclusiva da União ao disciplinar, através da lei municipal, a utilização, produção e o comércio de material bélico, representado por meio dos artefatos explosivos ou incendiários, utilizados no suposto movimento cultural da ‘guerra de espadas’. Da mesma forma, afirmou o magistrado, ao assegurar a realização do movimento criminoso, ele tentou “descriminalizar as condutas tipificadas pelo art. 16, parágrafo único, inciso III, da Lei nº 10.826/2003” e chancelou a prática de delitos previstos no Código Penal Brasileiro. Por estas razões, o juiz declarou a institucionalidade incidental da Lei nº 1400/2017, por vício formal subjetivo. Além de reconhecer a ilegalidade da prática da ‘guerra de espadas’, a Justiça também proibiu o movimento por meio de utilização dos artefatos incendiários em todos os logradouros públicos do município de Senhor do Bonfim. Ainda de acordo com a decisão, permitir a ‘guerra de espadas’ significaria “obrigar as pessoas que possuem imóveis residenciais e estabelecimentos comerciais no percurso do evento a disponibilizarem de recursos próprios para a proteção dos seus bens e a suportarem os riscos sérios e reais de danos aos seus patrimônios, à integridade física e à vida, para satisfazerem a lascívia pirotécnica de uma pequena parcela da sociedade que se locupleta indevidamente dessas atividades ilícitas”. A prática restringe o direito de ir e vir das pessoas e a sua proibição visa assegurar o direito à propriedade, à segurança, à incolumidade física e à vida das pessoas (art. 5ª, XV, XVI e XXII, e art. 144, da Constituição Federal de 1988), justifica a decisão judicial. As informações são do MP-BA. 
Foto: Reprodução

Fonte: Blog do Carlos Britto

Ator Fábio Assunção é preso por desacato em festa de São João, em Arcoverde-PE

24 de Junho de 2017
O ator Fábio Assunção foi detido na madrugada deste sábado (24) em uma festa de São João em Arcoverde, no Sertão de Pernambuco. Segundo Wanderley de Carvalho, comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar, o ator agrediu pessoas e desacatou policiais. Ele também teria quebrado um dos vidros da viatura em que foi levado. Em nota, a Polícia Civil informou que Fábio está sendo autuado por dano qualificado ao patrimônio público, desacato a autoridade, desobediência e resistência à prisão. Ele será encaminhado para exames no Instituto de Medicina Legal e depois apresentado em audiência de custódia (veja íntegra da nota ao final do texto). Nessa audiência, um juiz avalia a necessidade de manter o preso atrás das grades durante o processo judicial. De acordo com a PM, após se envolver em uma briga em uma festa de São João, no Pátio de Eventos da cidade, o ator foi levado para o Hospital Memorial de Arcoverde com ferimentos leves. Na unidade de saúde, o ator apresentava sinais de embriaguez e teria discutido com funcionários do hospital. De lá, o ator voltou para o Pátio de Eventos. Na festa, os policiais foram chamados por duas jovens, que disseram estar sendo ameaçadas por Fábio Assunção. Agentes tentaram levar todos para a delegacia, mas o ator ficou agressivo e se negou a entrar na viatura, de acordo com a PM. Ele precisou, então, ser algemado. "Ao ser colocado no xadrez da viatura, ele ficou ainda mais violento e quebrou o vidro traseiro do veículo", diz nota conjunta das polícias. Segundo informações da Polícia Civil, o ator chegou à delegacia Regional de Arcoverde às 6h deste sábado. Por volta das 12h, ele ainda prestava depoimento à delegada Cristina Gomes. Também são ouvidas testemunhas. Fábio Assunção estava na cidade para o lançamento do documentário "Eu sonho para você ver", produção realizada em parceria com a cineasta Pally Siqueira. O G1 procurou a empresa no Rio de Janeiro que assessora o ator, mas não obteve nenhuma resposta até a última atualização deste texto. Em Pernambuco, a reportagem também tentou localizar algum assessor de imprensa ou advogado de Fábio Assunção, mas não conseguiu. A família da namorada do ator, que é de Arcoverde, também não foi encontrada para comentar o caso. 

Nota conjunta das polícias Civil e Militar
"A Polícia Militar informa que, na madrugada de hoje (24/06), foi acionada para mandar uma viatura para o Hospital Memorial Arcoverde. Lá, o ator Fábio Assunção, levado para a unidade por ter se envolvido em uma briga no Pátio de Eventos da cidade, teria ficado agressivo com as pessoas. Por isso, os funcionários da unidade chamaram a polícia. Ao chegar ao local, porém, a viatura não encontrou mais o ator e retornou ao Pátio de Eventos. No caminho, os policiais foram acionados por duas jovens, que alegaram estar sendo ameaçadas pelo ator. Ao tentar levar as partes para esclarecer os fatos na delegacia, Fábio Assunção ficou agressivo e se negou a entrar na viatura, sendo necessário o uso de algemas para levá-lo. Ao ser colocado no xadrez da viatura ele ficou ainda mais violento, e quebrou o vidro traseiro do veículo. Diante do exposto, a ocorrência foi encaminhada para a Delegacia Seccional. A delegada Cristina Gomes, que estava de plantão, fez a escuta de testemunhas. As ouvidas continuam até o momento. Fábio Assunção está sendo autuado por dano qualificado ao patrimônio público, desacato a autoridade, desobediência e resistência à prisão. Como o total das penas soma mais que três anos de reclusão, não cabe, no caso, o Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO). Por isso, o ator será encaminhado para exames clínicos no IML e, posteriormente, apresentado na audiência de custódia."
Imagens: Reprodução/WhatsApp/Vídeos: You Tube

Fonte: G1 Caruaru e Região/You Tube

'Um milagre', diz mulher baleada no Alemão, Rio; Disparo atingiu celular

24 de Junho de 2017
Foi um milagre, um milagre de Deus." A frase é de Elida Silva, de 25 anos, baleada na manhã deste sábado (24) no Complexo do Alemão, na Zona Norte da cidade. Apesar de ter sido atingida, a jovem foi salva graças a um telefone celular que estava no bolso esquerdo da bermuda que ela usava. As primeiras informações sobre o caso foram antecipadas pelo Jornal Voz das Comunidades e confirmadas pelo G1. "Saí um instante para olhar uma obra e, no que eu saí, já senti algo no bolso. Aí, fiquei nervosa e fiquei gritando: 'Pai, pai, pai'. Aí, tiraram o telefone, mas a bala não chegou a me atingir. Realmente foi um milagre, um milagre de Deus", contou Elida, aliviada, à reportagem. A jovem trabalha administrando a loja de motocicletas do pai, que fica na Rua Antônio Austragésio, uma das principais vias do Alemão. Ela disse, ainda, que teve a impressão da bala ter ricocheteado numa casa antes de atingi-la. "Ela só sentiu o impacto. Inclusive, se assustou, mas [a bala] só atingiu o celular. Ficou vermelho do impacto, mas não foi nada de grave", contou o cunhado da vítima, o segurança Eder Queiroz. O comando da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Fazendinha, comunicou que policiais faziam um patrulhamento na Rua Austregésilo quando criminosos armados atiraram contra a equipe, por volta das 10h. A PM confirma que houve confronto, mas os criminosos fugiram. Além de Elida, a UPP informou que, até às 15h50, não havia registro de presos ou feridos no incidente.

Fonte: G1

terça-feira, 20 de junho de 2017

PF vê indícios de corrupção e pede mais 5 dias para concluir inquérito sobre Temer

19 de Junho de 2017
A Polícia Federal enviou nesta segunda-feira (19) ao Supremo Tribunal Federal relatório parcial do inquérito sobre o presidente Michel Temer. Além disso, a PF também pediu mais tempo para concluir as investigações. Com base nas delações de executivos da JBS, Temer passou a ser investigado pelos crimes de corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. No relatório entregue nesta segunda, a Polícia Federal aponta indícios de que Temer e o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) cometeram o crime de corrupção passiva. Já com relação às investigações sobre a suspeita de obstrução de Justiça, a PF pediu mais cinco dias para concluir a apuração. Para os investigadores, é melhor que essa parte do inquérito seja enviada ao STF quando a perícia técnica da gravação feita pelo empresário Joesley Batista de uma conversa com Temer for concluída. A expectativa é de que a perícia no aparelho e no áudio entregue por Joesley ao Ministério Público seja concluída ainda nesta semana. Depois que a PF concluir a investigação, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, terá cinco dias para oferecer denúncia contra o presidente ou para pedir o arquivamento do inquérito. 

Relembre o caso
Segundo Janot, Temer e o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) agiram em conjunto para barrar as investigações da Operação Lava Jato. Ainda de acordo com o Ministério Público Federal, o presidente deu "anuência" ao repasse de dinheiro a Eduardo Cunha (PMDB-RJ) para que o deputado cassado não feche acordo de delação premiada. Desde que as delações se tornaram públicas, o presidente tem rebatido todas as acusações e dito que não atuou para beneficiar a JBS e nem teme delação premiada. Além disso, Temer processou Joesley Batista, dono da JBS, por calúnia, injúria e difamação. 

Interrogatório
No mês passado, o ministro Luiz Edson Fachin, relator da Lava Jato no STF, autorizou a Polícia Federal a interrogar Temer sobre os episódios narrados pelos delatores da JBS. Segundo Fachin, porém, o presidente não era obrigado a responder aos questionamentos. A PF enviou, ao todo, 82 perguntas ao presidente, mas ele decidiu não responder e pediu o arquivamento do inquérito. Segundo a defesa de Temer, as perguntas tinham como objetivo "comprometer" o presidente e demonstravam "falta de isenção e de imparcialidade por parte dos investigadores". 

Acusações
Relembre abaixo algumas das acusações envolvendo o presidente Michel Temer, de acordo com o Ministério Público e segundo os delatores da JBS: 
*'Anuência' para propina a Cunha; 
*Ajuda a Cunha com 'um ou dois ministros' do STF; 
*Pediu a Aécio para retirar a ação no TSE; 
*Atuou em conjunto com Aécio para impedir a Lava Jato; 
*Recebeu R$ 15 milhões e 'guardou' R$ 1 milhão. 

Respostas
À medida em que o conteúdo das delações se tornava conhecido, o G1 questionava a Presidência. Leia abaixo as respostas: 
*Ajuda a Cunha: "No diálogo com Joesley Batista, o presidente Michel Temer diz que nada fez pelo ex-deputado Eduardo Cunha. Isso prova que o presidente não obstruiu a Justiça. Michel Temer não recebeu valores, a não ser os permitidos pela Lei Eleitoral e declarados ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Portanto, não tem envolvimento em nenhum tipo de crime." 
*Ação no TSE: "Isso não ocorreu". 
*Atuação para impedir Lava Jato: "O presidente nunca atuou para impedir o avanço da Lava Jato". 
*Recebeu R$ 15 milhões e guardou R$ 1 milhão: "O presidente não pediu nem recebeu dinheiro ilegal."

Fonte: G1

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Homem é preso com 26 quilos de maconha dentro de lotação na zona rural de Petrolina

18 de Junho de 2017
De acordo com informações policiais, nesse domingo (17), Uum homem de 55 anos de idade foi preso quando transportava 26 quilos de maconha pronta para o consumo, em Petrolina. A droga foi encontrada durante uma operação realizada na BR-428, sendo que o entorpecente se encontrava em um veículo de transporte alternativo de passageiros. Ainda segundo informações policiais, a maconha foi localizada com a ajuda de um cão, do Grupo de Operações com Cães do 5º BPM. A droga estava acondicionada dentro de uma caixa de papelão. O suspeito disse que pegou o entorpecente em um posto de combustíveis de Petrolina e levaria a droga para Casa Nova-BA. O homem foi preso e encaminhado à 1ª Delegacia de Polícia Civil, no Bairro Ouro Preto, onde foi autuado por tráfico de drogas. 
Ascom 5º BPM/PMPE

Fonte: Blog Diniz K-9

terça-feira, 13 de junho de 2017

Sérgio Cabral é condenado a 14 anos e dois meses por corrupção e lavagem de dinheiro

13 de Junho de 2017
O ex-governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral, foi condenado pelo juiz Sérgio Moro – responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância – a 14 anos e 2 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. A decisão foi publicada no sistema da Justiça Federal do Paraná por volta das 11h desta terça-feira (13). Veja a íntegra da sentença. Além desse processo, Cabral é réu em outras nove ações, que são analisadas no Rio de Janeiro. A mulher de Cabral, Adriana Ancelmo, foi absolvida pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro por falta de prova suficiente de autoria ou participação. A ré Mônica Carvalho, esposa de Wilson Carvalho, também foi absolvida pela mesma razão do crime de lavagem de dinheiro.

Veja os réus condenados e os respectivos crimes

*Sérgio Cabral – ex-governador do Rio de Janeiro: corrupção passiva, 12 crimes de lavagem de dinheiro – 14 anos e 2 meses de prisão
*Wilson Carlos Cordeiro de Silva Carvalho – secretário do governo do Rio de Janeiro na gestão de Cabral: corrupção passiva e dois crimes de lavagem de dinheiro – 10 anos e 8 meses de reclusão
*Carlos Emanuel de Carvalho Miranda – sócio do ex-governador Sérgio Cabral: corrupção passiva e quatro crimes de lavagem de dinheiro – 12 anos de reclusão

Cabral está preso no Rio de Janeiro desde novembro de 2016. Atualmente, ele está em um presídio em Benfica, onde ficava o antigo Batalhão Especial Prisional (BEP), que foi recentemente reformado. Wilson Carlos está preso na Região de Curitiba, também desde novembro. Já Carlos Miranda está preso no Rio. Além da pena de reclusão, Sérgio Moro definiu que, pelo crime de corrupção passiva, Cabral terá que pagar 150 dias multa – cada dia multa corresponde a cinco salários mínimos vigentes em outubro de 2008. Pelos crimes de lavagem de dinheiro, o estipulado foi 100 dias multa – neste caso, cada dia multa corresponde a cinco salários mínimos vigentes em maio de 2014. "Considerando a dimensão dos crimes e especialmente a capacidade econômica de Sérgio Cabral ilustrada pelo patrimônio declarado de quase R$ 3 milhões e, que considerando o examinado nesta sentença, certamente é maior, fixo o dia multa em cinco salários mínimos vigentes ao tempo do último fato delitivo (05/2014)", disse o juiz sobre o crime de lavagem. Em nota, a defesa de Carlos Miranda disse que vai recorrer da decisão, já que os advogados consideram que as provas apresentadas no processo não demonstram que os fatos tenham ocorrido como consta na sentença. O advogado de Wilson Carlos disse que está analisando a sentença. A defesa de Mônica Carvalho não quis se manifestar. Já a defesa de Adriana Ancelmo afirmou que a sentença compreendeu bem a prova colhida e, por isso, ela foi absolvida. O G1 tenta contato com a defesa do ex-governador Sérgio Cabral. O MPF afirmou que pretende recorrer da decisão, sobretudo, em relação às duas absolvições, "por entender que as provas produzidas demonstram que Adriana e Mônica participaram dos crimes cometidos de forma consciente". Com relação aos condenados, os procuradores querem que a Justiça aumente as penas aplicadas aos condenados.

Bloqueio de bens
O juiz Moro determinou o bloqueio de valores equivalente a R$ 6.662.150,00 em bens dos condenados. Ele lembrou ainda que há indícios de que contas bancárias deles foram esvaziadas antes que fossem bloqueadas, no início das investigações. "Não é possível discriminar por ora os bens equivalentes a serem confiscados, uma vez que as medidas de sequestro até o momento determinadas não foram bem sucedidas, inclusive pelo aparente esvaziamento das contas correntes dos condenados. A definição dos bens equivalentes a serem confiscados deverá ser feita na fase de execução", declarou o juiz.

Sentença
Para Sérgio Moro, os atos de corrupção e de lavagem de dinheiro são um fato "assustador", além de revelar a prática sistemática de crimes graves de corrupção. "Os atos de corrupção e lavagem reconhecidos na presente sentença inserem-se em um contexto maior de prática sistemática de infrações penais pelo ex-governador e seus associados e que é ilustrado pelas cerca de nove ações penais contra eles já propostas na Justiça Federal do Rio de Janeiro e igualmente encontra prova neste mesmo feito no sentido de que era cobrado um percentual de vantagem indevida em toda obra pública realizada no Estado do Rio de Janeiro”, afirmou Sérgio Moro. Na sentença, ele creditou a Sérgio Cabral a atual situação financeira do governo fluminense. "Não se pode ainda ignorar a situação quase falimentar do Governo do Estado do Rio de Janeiro, com sofrimento da população e dos servidores públicos, e que ela, embora resultante de um série de fatores, tem também sua origem na cobrança sistemática de propinas pelo ex-Governador e seus associados, com impactos na eficiência da Administração Pública e nos custos dos orçamentos públicos", disse. O juiz considerou que o ex-governador traiu o povo fluminense. O magistrado diz ainda que Cabral agiu com "ganância desmedida". "Ademais, as aludidas circunstâncias da cobrança da vantagem indevida, que se inserem em um contexto maior de cobrança de propina sobre toda obra realizada no Rio de Janeiro, indicam ganância desmedida, o que também merece reprovação especial. Agiu, portanto, com culpabilidade extremada, o que também deve ser valorado negativamente", criticou. Em caso de recurso, Cabral deve responder preso, assim como os outros condenados, de acordo com a sentença de Sérgio Moro. 

A denúncia 
De acordo com o Ministério Público Federal, Sérgio Cabral, Adriana Ancelmo e outros dois réus – Carlos Miranda e Wilson Carlos – "se valeram do cargo do ex-governador para solicitar e receber vantagem indevida". Este fato, segundo os procuradores, é motivo para aumento de pena para os crimes de corrupção. Ainda conforme o MPF, o grupo teve envolvimento no pagamento de vantagens indevidas a partir do contrato da Petrobras com o Consórcio Terraplanagem Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), formado pelas empresas Andrade Gutierrez, Odebrecht e Queiroz Galvão. A denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF) foi aceita em dezembro do ano passado. Os procuradores do MPF também destacam que Sérgio Cabral, em conjunto com o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, foi o responsável por organizar as tratativas com os executivos da Andrade Gutierrez para solicitação das propinas e, ainda, delegou a pessoas de sua confiança o acerto quanto ao recebimento das vantagens indevidas. Rogério Nora e Clóvis Peixoto também foram denunciados pelo MPF e se tornaram réus nesta mesma ação penal pelo crime de corrupção ativa. Entretanto, em janeiro de 2017, o MPF requereu a suspensão do processo em relação aos dois, devido ao acordo de colaboração premiada firmado com eles.

Fonte: G1

Cunha pede ao STF acesso a gravações de inquérito sobre Temer antes de depor à PF

13 de Junho de 2017
O deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) pediu nesta terça-feira (13) ao Supremo Tribunal Federal (STF) para ter acesso às gravações que integram a investigação sobre o presidente Michel Temer antes de depor à Polícia Federal sobre o caso. Em ofício encaminhado ao ministro Luiz Edson Fachin, que supervisiona o inquérito, aberto no âmbito da Operação Lava Jato, Cunha informou que o interrogatório está marcado para as 11h desta quarta (14), em Curitiba, onde ele está preso. Cunha, porém, quer ter acesso ao material da investigação com 48 horas de antecedência para poder responder às perguntas com ampla defesa. Desse modo, o peemedebista pediu ao STF que também determine à PF a "readequação da pauta" do depoimento. 

Delações da JBS
Em março deste ano, Temer foi gravado pelo dono da JBS, Joesley Batista, numa conversa em que, segundo a Procuradoria Geral da República (PGR), deu aval para pagamentos a Cunha com o objetivo de convencer o ex-deputado a não fechar acordo de delação premiada. O presidente nega as acusações, diz que não teme delações e afirma que jamais atuou para beneficiar a JBS no governo. Nesta semana, o ministro Edson Fachin concedeu cinco dias para a PF concluir o inquérito sobre Temer, prazo que vence na próxima segunda (19). Depois, se avaliar que há provas contra o presidente, caberá à PGR oferecer uma denúncia; caso contrário, poderá pedir o arquivamento do caso.

Fonte: G1

Defesa de Frederico Pacheco, primo de Aécio Neves, entrega dinheiro em agência da Caixa, em BH

13 de Junho de 2017
A defesa de Frederico Pacheco de Medeiros, primo do senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG), preso na Operação Patmos da Polícia Federal (PF), esteve nesta terça-feira (13) em uma agência da Caixa Econômica Federal no bairro Luxemburgo, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, onde fez um depósito judicial no valor de cerca de R$ 1.520.100,00. Este montante consta de documento ao qual a TV Globo teve acesso. O dinheiro seria parte do valor de R$ 2 milhões entregue por um diretor da JBS a Pacheco, após um pedido do tucano. Depois de passar a tarde no banco acompanhado da Polícia Federal (PF), o advogado deixou a agência com uma mala vermelha. Ele não quis dar declarações e apenas confirmou que o depósito foi feito por parte do cliente. "É o máximo que eu posso falar", afirmou Ricardo Ferreira de Melo. O pedido foi registrado em uma gravação apresentada pelo empresário Joesley Batista em sua delação premiada. No áudio, com duração de cerca de 30 minutos, o então presidente nacional do PSDB justifica a solicitação, dizendo que precisava da quantia para pagar sua defesa na Lava Jato. Frederico Pacheco foi diretor da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) nomeado por Aécio, e um dos coordenadores de sua campanha a presidente em 2014. Ainda de acordo com as investigações, ele repassou a quantia solicitada pelo senador afastado a Mendherson Souza Lima, assessor parlamentar do senador Zeze Perrella (PMDB-MG). A PF rastreou o caminho do dinheiro e descobriu que parte foi depositada em uma empresa de Perrella. Na casa do assessor foram apreendidos cerca de R$ 400 mil em dinheiro. Frederico e Mendherson estão presos na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, desde o dia 18 de maio. Na época, a assessoria de imprensa de Aécio Neves afirmou que o senador "está absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos". Zeze Perrella afirmou que "nunca" recebeu "um real sequer" da JBS. "Eu quero dizer para os que me conhecem e para os que não me conhecem que eu nunca falei com o dono da Friboi. Não conheço ninguém ligado a esse grupo. Nunca recebi de maneira oficial ou extra-oficial um real sequer dessa referida empresa", disse o senador no vídeo.

Fonte: G1

sábado, 3 de junho de 2017

Rocha Loures é preso pela Polícia Federal em Brasília

03 de Junho de 2017
A Polícia Federal informou que o ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), ex-assessor especial do presidente Michel Temer (PMDB), foi preso na manhã deste sábado 3, em Brasília, por determinação do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-deputado se encontra na Superintendência Regional da PF na capital federal. Segundo a Polícia Federal, não há previsão de transferência. O advogado de Rocha Loures, Cezar Bitencourt, argumentou em sua defesa ao ministro Fachin, relator da Lava Jato no STF, que a Procuradoria-Geral da República (PGR) solicitou a prisão de seu cliente com objetivo “forçar delação” premiada. Rocha Loures e o senador Aécio Neves (PSDB-MG) foram gravados pelo empresário Joesley Batista, dono da JBS, em negociação de pagamento de propina. Depois, ambos foram alvos de ações controladas pela PGR. Em um dos vídeos gravados pela Polícia Federal, Rocha Loures aparece “correndo” após supostamente ter recebido uma mala com R$ 500 mil. A prisão de Rocha Loures havia sido pedida pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, na Operação Patmos, desdobramento da Lava Jato. A captura de Rocha Loures foi negada por Fachin. O ministro do STF havia alegado a imunidade parlamentar de Rocha Loures para não autorizar a prisão. O ex-assessor de Temer havia assumido o mandato de deputado federal no lugar de Osmar Serraglio (PMDB-PR), que tinha ido para o Ministério da Justiça. Após ser deposto da Justiça, Serraglio decidiu recusar a oferta de Temer para virar ministro da Transparência e reassumir o seu mandato. Depois de Rocha Loures perder a prerrogativa do foro privilegiado, já que Osmar Serraglio havia voltado à Câmara, Janot, então, pediu a reconsideração da prisão do aliado de Temer. Na semana passada, Janot já havia pedido para Fachin reconsiderar a decisão tanto relativa a Rocha Loures quanto ao senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG). Para o procurador-geral da República, a prisão dos dois é “imprescindível” para garantia da ordem pública e instrução criminal, diante de fatos gravíssimos que teriam sido cometidos pelos parlamentares. 

Fonte: Estadão/Veja

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Ministro Fachin autoriza Polícia Federal a interrogar presidente Temer

30 de Maio de 2017
O ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), autorizou o interrogatório de Michel Temer no inquérito em que o presidente é investigado com base nas delações premiadas dos donos da empresa JBS. O interrogatório, pedido pela Procuradoria Geral da República, poderá ser feito por escrito e respondido pelo presidente 24 horas após a entrega das perguntas pela Polícia Federal. O ministro determinou o envio imediato do inquérito sobre Temer à Polícia Federal para conclusão das investigações. Isso deverá ser feito, segundo o ministro, no prazo de dez dias. Ao autorizar o interrogatório, Fachin lembrou que a orientação do STF é que investigados compareçam pessoalmente em dia, hora e local designado pela polícia, mas ressalvou que, no caso do presidente da República, a lei possibilita que o depoimento seja feito por escrito. "Não está prejudicada a persecução criminal com a observância, no caso em tela, do previsto no art. 221, § 1º, do Código de Processo Penal, em razão da excepcionalidade de investigação em face do presidente da República, lembrando-se que o próprio Ministério Público Federal não se opôs ao procedimento”, escreveu o ministro. Nesta terça-feira (30), Fachin também decidiu separar a investigação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) do inquérito de Temer, que também inclui o deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Com isso, a investigação foi dividida em dois inquéritos diferentes. Aécio, Temer e Loures são investigados no STF por suspeita de corrupção, organização criminosa e obstrução de justiça. A defesa de Temer já havia pedido na semana passada que um eventual interrogatório fosse feito por escrito. Com o interrogatório, a PGR quer esclarecimentos sobre um diálogo do presidente com o empresário Joesley Batista, registrado pelo dono da JBS com um gravador escondido. O inquérito foi autorizado no último dia 18 por Fachin a fim de apurar se, no diálogo, o presidente deu aval a Joesley Batista para o pagamento de propina ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso em Curitiba pela Operação Lava Jato. Para o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ao confirmar o diálogo gravado por Joesley em março, Temer teria feito uma “confissão extrajudicial”. O procurador apontou "anuência" de Temer ao pagamento de propina. “Em pronunciamentos recentes, o presidente da República não negou o encontro nem diálogo noturno e secreto com o colaborador Joesley Batista, tampouco nega que o colaborador tenha Ihe confessado fatos criminosos graves, o que demandaria, no mínimo, comunicação de tais crimes as autoridade competentes”, diz Janot, em referência a outro trecho da conversa em que o empresário relatou manobras junto a juízes e um procurador numa investigação.
Imagem: Google

Fonte: G1

terça-feira, 30 de maio de 2017

Congresso cria CPI mista do BNDES para investigar empréstimos à JBS

30 de Maio de 2017

O presidente do Congresso Nacional, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), leu nesta terça-feira (30) o pedido de criação de uma CPI mista (formada por deputados e senadores) para investigar os empréstimos tomados pela holding J&F – controladora do frigorífico JBS – junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A partir da leitura em plenário, será feito o cálculo para distribuir as vagas na comissão em relação ao tamanho dos partidos. Em seguida, os líderes partidários terão prazo para indicar os membros. Com as vagas preenchidas, deverá ser marcada uma data para a instalação da comissão. A CPI mista deverá ser composta por 16 senadores e 16 deputados titulares. O colegiado terá prazo de 120 dias (prorrogáveis por mais dois meses) para apresentar um relatório final. A comissão terá como foco da investigação os empréstimos concedidos pelo BNDES à JBS entre 2007 e 2016, durante os governos Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Os parlamentares também querem apurar os termos e condições para a realização das delações dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, e de executivos da J&F, realizadas com a Procuradoria Geral da República e homologadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A coleta de assinaturas de parlamentares necessárias para criar a CPI teve início assim que foi revelado o conteúdo das delações. Em seus depoimentos, os dirigentes do grupo empresarial admitiram pagamentos de propinas a políticos para obter incentivos fiscais e conseguir dinheiro do BNDES e de fundos de pensão. De acordo com Joesley Batista, o frigorífico JBS exercia influência no BNDES por meio do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega. O empresário contou aos procuradores que pagava como propina uma taxa de 4% do valor de cada contrato aprovado no banco público de fomento, assim como dos aportes financeiros feitos por meio da BNDESpar, o braço da instituição financeira que investe em participações de empresas e é acionista da JBS. O frigorífico dos irmãos Batista se tornou a maior empresa de carnes do mundo com o apoio do BNDES. O faturamento da companhia saltou de R$ 4 bilhões para R$ 170 bilhões entre 2006 e 2016, impulsionado por aquisições, como a compra do frigorífico Bertin e das empresas americanas Swift e Pilgrim’s Pride, financiadas pelo BNDES.
Políticos envolvidos na delação da JBS (Foto: Editoria de Arte/G1)
Fonte: G1

Marinha abre concurso com 14 vagas para oficiais

30 de Maio de 2017
Estão abertas, até o dia 26 de junho de 2017, as inscrições para o concurso público para os Quadros Complementares de Oficiais da Armada (QC-CA) e de Oficiais Fuzileiros Navais (QC-FN). As 14 vagas, sendo 05 para o QC-CA e 09 para o QC-FN, são destinadas a candidatos com menos de 29 anos de idade em 01 de janeiro de 2018, do sexo masculino e formados, até o dia 05 de fevereiro de 2018, em diversas áreas da Engenharia, em Ciências Náuticas ou em Educação Física. O Concurso será realizado por meio de prova escrita objetiva de Conhecimentos Profissionais/Inglês e uma Redação, ambas eliminatórias e classificatórias. Após isso, os concorrentes passarão ainda por Inspeção de Saúde, Teste de Aptidão Física, Verificação de Dados Biográficos, Verificação de Documentos e Avaliação Psicológica. Os aprovados farão o Curso de Formação de Oficiais (CFO) no Centro de Instrução Almirante Wandenkolk (CIAW), na cidade do Rio de Janeiro. As inscrições serão realizadas pelo site www.ingressonamarinha.mar.mil.br e o valor da taxa é de R$ 100,00.
Ascom Marinha do Brasil - Agência Fluvial de Juazeiro-BA

Fonte: Blog Diniz K-9

SDS determina policiamento em escolas estaduais das 14h às 22h

30 de Maio de 2017
Portaria conjunta da Secretaria de Defesa Social (SDS) e de Educação (Seduc) disciplina o policiamento nas escolas da rede estadual de ensino realizado pela Patrulha Escolar da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE). O documento publicado no último dia 26 determina que o policiamento escolar será feito pela Patrulha Escolar por meio do Programa de Jornada Extra de Segurança (PJES), visando, além de garantir a segurança das unidades de ensino, incentivar o espírito cívico, promover a cultura de paz e prevenir a violência escolar, o consumo e o tráfico de drogas. A portaria determina que o policiamento será realizado por uma viatura composta por dois policiais militares nas áreas internas e nos entornos de 333 escolas estaduais de Pernambuco. O acionamento das viaturas escolares só deverá ser feito para atendimento de ocorrências ligadas à rede estadual de ensino. Os secretários decidiram ainda que a viatura escolar ficará em uma escola-sede e poderá sair de lá para atender chamados nas outras escolas inseridas no perímetro de segurança. Outra determinação da portaria diz respeito ao horário de funcionamento da patrulha, que deverá ser realizado das 06h a 00h, de segunda a sexta-feira. No entanto, a portaria ressalta que o policiamento deve estar nas escolas, preferencialmente, no horário das 14h às 22h, sendo a carga horária remanescente do PJES destinada à instrução do efetivo policial, deslocamento e ao armamento e desarmamento dos materiais de serviço. O documento diz ainda que, havendo a desativação da viatura destina ao Patrulhamento Escolar, os policiais poderão ser, excepcionalmente, lançados a pé nas escolas que seriam cobertas. 

Fonte: Blog Segurança Pública - Diário de Pernambuco

Delatores da JBS afirmam ter dado R$ 100 mi para campanha de Aécio em 2014

30 de Maio de 2017
Os delatores da JBS confessaram ter aberto um caixa de R$ 40 milhões para a compra de apoio político à campanha de Aécio Neves (PSDB-MG) à Presidência da República, em 2014, a pedido do tucano. Os valores teriam sido pagos por meio de doações oficiais - classificadas, mesmo assim, como "propinas", pelos executivos do grupo - e de notas fiscais frias de empresas indicadas pelos dirigentes partidários, segundo a delação. Outros R$ 60 milhões teriam sido destinados somente à campanha individual do senador afastado. Repasses a todos os partidos da coligação do tucano - PTB, Solidariedade, DEM, PTN, PSL, PTC, PSDC , PMN, PT do B, PEN - são citados nas delações da JBS. O dono do grupo, Joesley Batista, teria autorizado os pagamentos - em acerto com o tucano -, que teriam sido operacionalizados pelo diretor de Relações Institucionais da J&F, Ricardo Saud. Somente para Aécio teriam sido destinados R$ 11 milhões - nas primeiras tratativas. Posteriormente, os valores chegaram a R$ 60 milhões, de acordo com os delatores. A maior quantia do "caixa de propinas" supostamente acertado entre a empresa do setor agropecuário e o então candidato foi para o PTB. Segundo o delator Ricardo Saud, foram R$ 20 milhões pagos por meio de caixa dois, em espécie, e doações oficiais aos diretórios da legenda. "Isso tudo antes da eleição. Porque eles (dirigentes do PTB) falaram que só dariam apoio ao Aécio se pagassem antes da eleição", afirmou. "Foram R milhões entregues em espécie na casa do senhor Luiz Rondon, tesoureiro nacional do PTB. Além disso, alguns depósitos feitos por indicação do Luiz Rondon em algumas contas. Estão anotadas as três contas específicas", alegou. O acordo de delação da JBS ainda menciona R$ 5 milhões ao diretório estadual do PTB da Bahia, R$ 4 milhões ao do Rio de Janeiro, R$ 3 milhões ao de Santa Catarina, R$ 1,5 milhão para o do Rio Grande do Sul, R$ 3,4 milhões ao Mato Grosso. Outro partido que teria ficado com a maior parte das propinas acertadas entre Aécio e a JBS, de acordo com os delatores, foi o Solidariedade. Dos R$ 15 milhões direcionados à sigla, R$ 11 milhões foram doados oficialmente ao diretório nacional, segundo os executivos. Ricardo Saud, da J&F, ponderou que o Solidariedade, naturalmente, seria uma das legendas que apoiariam Aécio, mas, mesmo assim, foi acertada a "ajuda". Os outros R$ 4 milhões foram viabilizados por meio de notas fiscais frias a empresas indicadas por Paulinho da Força, presidente da legenda, contaram os delatores. Os documentos foram entregues ao MPF. O delator narrou inclusive um conflito entre Aécio e o senador Agripino Maia em torno da campanha do DEM em 2014. Inicialmente, segundo o executivo, estavam acertados R$ 10 milhões ao partido, mas, após um suposto desentendimento entre o presidenciável e o democrata, o financiamento teria sido interrompido. "E o Agripino me ligava dia sim, dia não: 'cara, cadê o dinheiro, já foi autorizado, eu fui o coordenador da campanha'. Aquela coisa toda. Aí eu peguei e falei: 'Você vai me desculpar, mas não tem nada para o senhor, mandaram cancelar'". De acordo com a delação, após uma conversa entre Aécio e Agripino, o caixa do DEM voltou a ser liberado. "Ele conversou, e voltou com 2 milhões. Esses 2 milhões foi feita a doação e pediu para depositar na conta do DEM", alegou Saud. A JBS ainda dá conta de doações oficiais de R$ 150 mil ao PSL, R$ 650 mil ao PTC, R$ 50 mil ao PSDC, R$ 400 mil ao PTN, R$ 500 mil ao PEN, R$ 1 milhão ao PT do B, e R$ 1,3 milhão ao PMN - todas integrantes da coligação "Muda Brasil", que lançava Aécio à Presidência. Os executivos relataram que a única legenda que lançou candidatura independente, em 2014, e entrou no pacotão apontado pelos delatores é o PSC, que alçou Pastor Everaldo ao Planalto. O diretor de Relações Institucionais da J&F Ricardo Saud alegou ter tratado do pagamento de R$ 100 mil, por meio de doação oficial, a pedido de Aécio Neves, junto a um interposto do partido. "Como é que o pastor Everaldo era candidato e tá dando R$ 100 mil para o partido? parece que era pra ter um debate e tal", relatou. Pastor Everaldo também é citado pela Odebrecht em uma suposta propina para ajudar Aécio em debate eleitoral televisivo, na corrida presidencial de 2014. Até mesmo o PMDB, que apoiou Dilma Rousseff, entrou para o pacotão de repasses da JBS para a "compra de apoio político" da candidatura de Aécio, segundo a versão dos delatores. Os executivos dizem ter doado R$ 1,5 milhão para a campanha de Ivo Sartori (PMDB-RS) ao governo estadual do Rio Grande do Sul. "O Aécio pegou e pediu pra dar R$ 1,5 milhão para o PMDB do Rio Grande do Sul. Lá, o Ivo Sartori era dissidente, porque o PT tinha candidato. Aí, o Aécio deu 1,5 milhão desse dinheiro dessa propina para o Sartori. E aí fizemos doações oficiais dissimuladas”, relatou. 

Fonte: Estado de Minas

Pernambuco já soma mais de 44 mil desabrigados e desalojados pelas chuvas

30 de Maio de 2017
Após dois dias de chuvas que atingiram principalmente a Zona da Mata Sul e parte do Agreste pernambucano, mais de 44 mil estão desabrigados e desalojados no estado. Até o momento, 2.656 pessoas perderam suas casas e foram encaminhadas para prédios públicos. Já o número de desalojados chegou a 41.145 nesta segunda-feira. Além disso, há três mortes e dois desaparecidos. Ao todo, são 23 municípios atingidos, sendo 14 em estado de calamidade pública, além de Caruaru, que decretou estado de emergência. No Recife, não houve ocorrências. A Mata Sul foi a região mais prejudicada. As situações mais críticas se encontram em Ribeirão - onde o Rio Amaraji subiu 2 metros além do seu limite máximo -, além de Joaquim Nabuco, Sirinhaém e Barra de Sirinhaém que estão com os sistemas de fornecimento de água suspenso ou parcialmente afetados em função de inundações, níveis de turbidez da água, falta de energia, entre outros problemas provocados pela intensidade das chuvas. 

Novo alerta de chuvas fortes
Na tarde de hoje, a Agência Pernambucana de Águas e Clima emitiu um novo alerta de chuvas para as próximas 24 horas. Segundo o órgão, há probabilidade de ocorrência de chuvas de intensidade moderada a forte até terça-feira. As áreas mais atingidas serão Mata Norte, Mata Sul e Região Metropolitana do Recife.

Fonte: Diário de Pernambuco 

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Presidente da ACS-PE, Alberisson Carlos, fará reunião com policiais e bombeiros militares em Petrolina nesta quinta-feira (25)

24 de Maio de 2017
O Presidente da Associação Pernambucana dos Cabos e Soldados Policiais e Bombeiros Militares (ACS-PE), Alberisson Carlos, juntamente com o vice presidente Nadelson Leite, estarão presentes em uma reunião com policiais e bombeiros militares de Petrolina e região, a fim de tratar de interesses da tropa. Tal reunião ocorrerá no auditório da UPE, em Petrolina, nesta quinta-feira (25), e terá início às 10h00. Todos os policiais e bombeiros militares, assim como seus familiares estão convidados.
Ascom ACS-PE

Fonte: Blog Diniz K-9

segunda-feira, 22 de maio de 2017

AMMPLA abre inscrições para passeio ciclístico em comemoração ao Maio Amarelo

22 de Maio de 2017
A Prefeitura de Petrolina, através da Autarquia Municipal de Mobilidade (AMMPLA), com parceria do Sest/Senat, está realizando inscrições para o passeio ciclístico que acontecerá no dia 28 de maio, encerrando a programação da campanha Maio Amarelo. Para se inscrever basta comparecer a AMMPLA, levando 1 kg de alimento não perecível, que será doado para alguma instituição de caridade. O passeio começará às 09h00, saindo da Orla da cidade e seguirá até o Parque Municipal Josepha Coelho. Ao final do evento, serão sorteadas algumas bicicletas para os participantes. A Ammpla fica localizada na Avenidada Integração, Caminho do Sol, n° 1202, e as inscrições poderão ser feitas até o dia 26, das 07h00 às 12h00. 

Maio Amarelo
A campanha traz em 2017 o tema 'Minhas escolhas fazem toda diferença'. Ao longo do mês, estão acontecendo diversas atividades alusivas ao Maio Amarelo nas ruas e escolas da cidade. O Movimento Maio Amarelo nasceu com a proposta de chamar a atenção da sociedade para o alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. O objetivo do movimento é uma ação coordenada entre o Poder Público e a sociedade civil. A intenção é colocar em pauta o tema segurança viária e mobilizar toda a sociedade. A marca que simboliza o movimento, o laço na cor amarela, segue a mesma proposta de conscientização já idealizada e bem-sucedida, adotada pelos movimentos de conscientização no combate ao câncer de mama, ao de próstata e, até mesmo, às campanhas de conscientização contra o vírus HIV – a mais consolidada nacional e internacionalmente. 
Ascom PMP

Fonte: Blog Diniz K-9

Lula é denunciado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro na Lava Jato, em caso envolvendo sítio em Atibaia

22 de Maio de 2017
O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi denunciado nesta segunda-feira (22), na Operação Lava Jato, em função das investigações que envolvem um sítio em Atibaia, no interior de São Paulo. A denúncia foi apresentada pelos procuradores que compõem a força-tarefa da Lava Jato, à Justiça Federal, em Curitiba. Esta é a terceira denúncia que o Ministério Público Federal (MPF) apresenta à Justiça, em Curitiba, contra Lula. Nas outras ações penais, ele é réu por ter, supostamente, recebido propina das construtoras OAS e Odebrecht. Caberá ao juiz Sérgio Moro, responsável pelas ações penais da Lava Jato, definir se recebe ou não a denúncia do MPF. Se ele aceitar, o ex-presidente passará a ser réu também neste novo processo. Além de Lula, outras 12 pessoas são citadas neste processo. Todos são acusados pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção ativa e passiva. 

Veja quem foi denunciado 
*Luiz Inácio Lula da Silva, ex-presidente da República: corrupção passiva e lavagem de dinheiro 
*Marcelo Odebrecht, ex-presidente da Odebrecht: corrupção ativa 
*José Adelmário Pinheiro, o Léo Pinheiro, dono da OAS: corrupção ativa e lavagem de dinheiro 
*José Carlos Bumlai, pecuarista: lavagem de dinheiro 
*Agenor Franklin Medeiros, ex-executivo da OAS: corrupção ativa 
*Rogério Aurélio Pimentel, ex-assessor especial da Presidência: lavagem de dinheiro 
*Emílio Odebrecht, dono da construtora Odebrecht: lavagem de dinheiro 
*Alexandrino de Alencar, ex-executivo da Odebrecht: lavagem de dinheiro 
*Carlos Armando Guedes Paschoal, ex-diretor da Odebrecht: lavagem de dinheiro 
*Emyr Diniz Costa Junior, engenheiro da Odebrecht: lavagem do dinheiro 
*Roberto Teixeira, advogado de Lula: lavagem de dinheiro 
*Fernando Bittar, empresário, sócio de um dos filhos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva: lavagem de dinheiro 
*Paulo Gordilho, engenheiro da OAS, lavagem de dinheiro 

Entenda a denúncia
A acusação trata do pagamento de propina de pelo menos R$ 128 milhões pela Odebrecht e de outros R$ 27 milhões por parte da OAS. Conforme a denúncia, Lula foi beneficiado com parte desse dinheiro, por meio de obras realizadas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia, cuja escritura está no nome de Fernando Bittar, mas que o MPF defende que pertence, na verdade, ao ex-presidente. As obras, conforme a denúncia, serviram para adequar o imóvel às necessidades de Lula. Segundo o MPF, a Odebrecht e a OAS custearam R$ 850 mil em reformas na propriedade. O MPF diz que Lula ajudou as empreiteiras ao manter nos cargos os ex-executivos da Petrobras Renato Duque, Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada, Nestor Cerveró e Pedro Barusco, que comandaram boa parte dos esquemas fraudulentos entre empreiteiras e a estatal, descobertos pela Lava Jato. Todos já foram condenados em ações penais anteriores. Conforme a denúncia, as duas empreiteiras foram beneficiadas em pelo menos sete contratos. Também faz parte da denúncia o contrato de aluguel do navio-sonda Vitória 10.000, realizado pela empreiteira Schahin, junto à Petrobras. Nesse contrato, o processo apura um suposto pagamento de R$ 150 mil a Lula, com a ajuda do pecuarista José Carlos Bumlai, que teria intermediado os repasses ao ex-presidente. Os procuradores defendem que todo o esquema na Petrobras era capitaneado por Lula. "Efetivamente, como apurado, após assumir o cargo de Presidente da República, Lula comandou a formação de um esquema delituoso de desvio de recursos públicos destinados a enriquecer ilicitamente, bem como, visando à perpetuação criminosa no poder,comprar apoio parlamentar e financiar caras campanhas eleitorais", diz trecho da denúncia. A Odebrecht informou por nota que "está colaborando com a Justiça no Brasil e nos países em que atua. Já reconheceu os seus erros, pediu desculpas públicas, assinou um Acordo de Leniência com as autoridades do Brasil, Estados Unidos, Suíça e República Dominicana, e está comprometida a combater e não tolerar a corrupção em quaisquer de suas formas". O G1 tenta contato com a defesa dos demais denunciados. 

Outro lado 
A defesa do pecuarista José Carlos Bumlai informou que está analisando a denúncia e vai se manifestar no momento oportuno. A defesa de Léo Pinheiro não vai se manifestar. A empresa Schahin informou que não tem qualquer envolvimento no caso. A defesa de Fernando Bittar afirmou que precisa analisar a denúncia antes de se manifestar sobre as acusações. Em nota, o Insituto Lula disse que a denúncia só comprova o que a defesa vem dizendo há 18 meses, que "o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é, e nunca foi, dono de um sítio em Atibaia, ao contrário do que os procuradores, a esposa do juiz Sérgio Moro e boa parte da imprensa sempre alardearam" Segundo a nota, a força-tarefa da Lava Jato apresentou uma denúncia "leviana, que apenas demonstra sua obsessão de perseguir o ex-presidente". O texto diz ainda que "Lula não cometeu qualquer crime nem antes, nem durante, nem depois de exercer a presidência da República duas vezes, eleito pelo povo brasileiro". Já o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente, afirmou em nota que a denúncia "mostra uma desesperada tentativa de procuradores da República justificar à sociedade a perseguição imposta ao ex-Presidente nos últimos dois anos, com acusações frívolas e com objetivo de perseguição política". Para ele, a denúncia "buscou dar vida à tese política exposta no PowerPoint de Deltan Dallagnol, para, sem qualquer prova, atribuir a Lula a participação em atos ilícitos, envolvendo a Petrobras, que ele jamais cometeu". Martins também afirma que "a Lava Jato age de forma desleal em relação a Lula, com acusações manifestamente improcedentes e com a prática de atos que são ocultados de sua defesa". O advogado acredita que a denúncia não deveria ser recebida pela Justiça. "A falta de justa causa para o recebimento da ação penal proposta nesta data é flagrante e um juiz imparcial jamais poderia recebê-la", diz. O advogado Roberto Teixeira disse que as denúncias contra ele têm como objetivo criminalizar a prática da advocacia. "A denúncia apresentada hoje contra mim é mais um ato de intimidação da advocacia e de desrespeito às garantias fundamentais praticado pela Força Tarefa da Lava Jato", afirmou em nota. Ele diz que vai demonstrar a inocência ao longo do processo. "Demonstrarei, em todas as instâncias cabíveis, o absurdo das acusações dirigidas contra mim e a responsabilidade daqueles que usaram de suas atribuições legais para promover a perseguição e a criminalização da amizade e da advocacia", pontuou Teixeira. O G1 tenta contato com as defesas das demais pessoas citadas na denúncia. 

Processos em Curitiba
Lula é réu em dois dos três processos relacionados à Operação Lava Jato em Curitiba. Em um deles, o ex-presidente é acusado de ter recebido R$ 3,7 milhões da empreiteira OAS por meio da reserva e reforma de um apartamento tríplex, em Guarujá (SP). Após depoimento de testemunhas, agora, o MPF e a defesa devem apresentar as alegações finais, última etapa antes de o juiz dar a sentença. No outro processo, Lula é acusado de ter recebido vantagens indevidas da Odebrecht, por meio da compra de um terreno, em São Bernardo do Campo, na Grande São Paulo, e também de um apartamento no mesmo andar do prédio em que ele mora, na mesma cidade. O terreno seria usado para construir uma nova sede para o instituto social que leva o nome do ex-presidente, e o apartamento é usado até hoje por Lula, como casa para os policiais federais que fazem a segurança dele. Em Brasília, Lula também é réu no processo que apura uma suposta tentativa de obstrução a Justiça com a possível compra do silêncio do ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró. O caso veio à tona após a revelação de um grampo realizado pelo filho de Cerveró, no momento em que o então senador Delcídio do Amaral tentava fazer um acordo financeiro para evitar a delação do ex-diretor da estatal. Amaral acabou preso e perdeu o mandato.

Fonte: G1